Destaque, Economia, Marinha Grande

Joaquim Matos e Molde Matos homenageados pela Câmara da Marinha Grande

A empresa Molde Matos e o seu líder, o empresário Joaquim Matos, foram homenageados pelo Município da Marinha Grande na passada sexta-feira, 17 de maio, no Auditório da Resinagem, pelo contributo da empresa e do empresário para o desenvolvimento económico do concelho.

Num jantar seguido de homenagem, que reuniu mais de uma centena de pessoas, a presidente da Câmara, Cidália Ferreira, afirmou que “conhecemos a força, a perseverança, o conhecimento, o arrojo, a vontade e o querer que está na liderança desta empresa, deste empresário, deste nosso amigo”.

Cidália Ferreira admitiu que aquele encontro de entidades, empresários e amigos de Joaquim Matos, pretendeu “homenagear um grande homem e uma grande empresa, que todos os dias dos últimos 50 anos tem dado o seu decisivo contributo para que a Marinha Grande seja líder distrital de exportações e para o aumento das exportações em 2018 no nosso país”.

O presidente da Assembleia Municipal, Luís Guerra Marques, destacou de Joaquim Matos “a sua atividade profissional e industrial, ligada ao sucesso”, feito “com coragem, saber, muito trabalho”. Luís Guerra Marques reconheceu do empresário “muito do seu contributo para a valorização da nossa terra, do nosso concelho e do nosso País” e acrescentou que “são homens como o “Quim Matos” que fizeram da nossa terra o gigante económico que hoje é”.

O homenageado admitiu que, “neste momento sinto que sou um homem feliz, com sorte e premiado por aquilo que fiz e estou fazendo. A minha maratona da vida está chegando à meta”. “Sempre tive a intenção de não dar muito nas vistas e andar sempre longe dos pódios e das ribaltas, mas sempre ativo, futurista, na perspetiva de inovar, crescer e melhorar. É um orgulho grande ver a qualidade das minhas empresas e sonhar com as perspetiva futuras.”

Por fim, concluiu: “para mim, não há missão cumprida. Ela estará entregue a pessoas que farão a continuidade no progresso, na inovação e na qualidade”.

A sessão de homenagem contou ainda com as intervenções de Miguel Matos (filho do empresário), Telmo Ferraz e Eduardo Franco, que dirigiram palavras de reconhecimento a Joaquim Matos.

 

 Joaquim Matos – “Do vidro aos moldes e plásticos”

Joaquim Matos nasceu em 30 de junho de 1932. Possui o 2º ano do Curso Industrial de vidraria e o 3º ano do Instituto Britânico de Leiria.

Toda a sua vida foi marcada pela história da indústria de moldes. Além da família, ao longo de mais de 70 anos, teve sempre em consideração os colegas, os aprendizes e trabalhadores que foram seus mestres e os diretores das empresas.

Começou a trabalhar com 9 anos na fábrica “Ricardo Gallo” e, com 10 anos, após a conclusão da 4ª classe, foi trabalhar para a fábrica “Marquês de Pombal”, mais tarde “Vicris”, onde o seu avô Domingos Carlos lhe deu emprego.

Em dezembro de 1945, começou a trabalhar na C.I.P Companhia industrial Portuguesa (Ivima). Em 1950, entrou para a secção de bancada controlada por José Aquino na fábrica Aníbal H. Abrantes.

Ainda nesta altura, em conjunto com José Rodrigues, montou uma sociedade para fazer pintura por “Silc Screen” no vidro e plástico e Joaquim Matos fez uma máquina semiautomática para produzir peças em série.

Em 1959, depois de ter saído da Aníbal H. Abrantes, apesar de várias ofertas, optou por ir trabalhar para a fabrica de seu tio Edilásio Carreira da Silva. Era uma fábrica de moldes para o vidro e plásticos.

Entre 1964-1966, Joaquim Matos criou uma Norma Reguladora da Numeração das Peças que Compõem os Moldes de Injeção de Plásticos, servindo como projeto de organização, ordenamento e controlo do molde, desde o início até à experiência e despacho para o cliente. Esta norma ainda hoje é usada.

Por diversas razões, Joaquim Matos saiu da Edilásio e, em conjunto com o seu irmão Arnaldo, montou a Molde Matos, em 3 de setembro, começando a operar no dia 1 de outubro de 1968.

Em setembro de 1979, foram inauguradas as novas instalações, na Moita. Desde essa época que se começou a pensar na Plimat. A Plimat nasceu em 1979 para mudar um pouco o rumo de negócios e também para aproveitar os conhecimentos técnicos da Molde Matos e as suas antigas instalações.

Com a necessidade sempre presente de inovar, e porque precisava de mais produtos para o catálogo da Plimat, começou a germinar a criação de uma nova linha de produtos. Assim nasceu a ideia de fazer válvulas de esfera, o que deu origem à Plimex, fundada em 1999, unidade única a nível nacional no fabrico deste tipo de produtos.

Em 2001, foi fundada a Matosplás (anteriormente parte integrante da Molde Matos), unidade dedicada à injeção de plásticos com uma gama própria de copos inquebráveis.

Em 2009, Joaquim Matos fundou o grupo MatosGest, que gere as quatro empresas e concretiza-se como uma sociedade de participações. O grupo emprega atualmente 230 pessoas.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *