Cultura, Economia, S. João da Madeira

Museus de S. João da Madeira na rota de grandes designers de chapéus e sapatos

Chapéus criados pela espanhola Araceli Sancho e sapatos desenvolvidos pelo japonês Kei Kagami vão poder ser vistos no Museu da Chapelaria e o Museu do Calçado, respetivamente. São as primeiras exposições que estes designers realizam em Portugal, com inauguração marcada para este sábado, 18 de maio, Dia Internacional dos Museus.

A cerimónia tem início às 16h00, no Museu da Chapelaria, com os participantes a seguirem depois para o Museu do Calçado. Ambos os momentos contam com a presença dos dois criadores, cuja agenda deste dia em S. João da Madeira começa um pouco antes, com uma mesa redonda marcada para o Museu da Chapelaria, às 14h30.

Desta forma, é dada continuidade ao ciclo temático “Criar entre Mundos. Da cabeça aos pés”, que vem sendo promovido no Museu da Chapelaria e no Museu do Calçado, desafiando artistas de diferentes nacionalidades para aí mostrarem abordagens criativas diversas que resultam do seu olhar particular sobre chapéus e sapatos.

Essas são duas marcas incontornáveis da cidade de S. João da Madeira, “indissociáveis do seu desenvolvimento económico e da sua própria identidade enquanto comunidade empreendedora e dinâmica, o que se projeta para lá do próprio território sanjoanense”, como destaca o Presidente da Câmara, Jorge Vultos Sequeira.

“Criar entre Mundos. Da cabeça aos pés”

Joana Galhano, diretora dos dois museus do Município de S. João da Madeira, os únicos no país dedicados à chapelaria e ao calçado, refere que as novas exposições – patentes até 29 de setembro deste ano – colocam “em evidência os extraordinários universos criativos que caracterizam a obra dos designers convidados”.

Esse é precisamente um dos objetivos do ciclo “Criar entre Mundos. Da cabeça aos pés”, que anteriormente já trouxe à cidade designers como o filipino Harvy Santos, a holandesa Amber Ambrose Aurèle, a espanhola Estibalitz Diaz de Durana Arias ou a austríaca Carolin Holzhuber.

Agora, é chegada a vez de Araceli Sancho e Kei Kagami mostrarem o seu trabalho a quem visita o Museu da Chapelaria e o Museu do Calçado. Oportunidade para o público contactar com a obra de “uma das mais talentosas criadoras de chapéus da atualidade” e de um designer “muito à frente do tempo presente, propondo no objeto da sua criação, um futuro alternativo para a moda”, como assinala Joana Galhano.

Narrativas visuais sem limites

Araceli Sancho explica que os chapéus que cria são “mais para serem vistos e sentidos do que para serem usados”, perspetiva patente nesta exposição do Museu da Chapelaria, intitulada “Narrativas Visuais”, onde mostra sete dezenas de peças. “Para mim o mais importante (…) é o lado conceptual, é a minha forma de comunicar os meus pensamentos, as minhas memórias, os meus sentimentos e as minhas preocupações…”, revela a designer valenciana.

Por seu lado, Kei Kagami assume que os sapatos que desenha “têm de ser usáveis”, o que se percebe nas criações – também 70 – que, sob o título “Sem limites”, apresenta no Museu do Calçado. “Orgulho-me por desafiar o design de forma a tornar possível o impossível. (…) Procuro uma beleza funcional para os meus sapatos”, afirma o designer e arquiteto japonês, que, no entanto, salvaguarda: “Não penso na comercialização, dessa forma as minhas coleções de sapatos têm um carácter mais individual e pessoal”.

Artigo Anterior

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *