S. João da Madeira, Sociedade

S. João da Madeira volta a vestir-se de azul contra os maus tratos às crianças

Vão ser 12 horas a correr pela defesa e promoção dos direitos das crianças, numa cidade pintada de azul que irá “ostentar” um laço azul humano no seu centro cívico. Esta iniciativa, marcada para 6 de abril, é promovida pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de S. João da Madeira, com a colaboração da Câmara municipal e de outras entidades do concelho.

Com o título “12 horas a correr por uma causa”, este é um evento que tem vindo a realizar-se nos últimos anos em S. João da Madeira, registando uma crescente vertente colaborativa, que se reflete numa participação alargada da comunidade. Como sublinham os responsáveis da CPCJ concelhia, “a promoção de comportamentos positivos para sensibilizar para a prevenção do mau trato infantil” é uma missão que “é de todos”.

Sendo abril um mês dedicado a realização de iniciativas de prevenção e de sensibilização contra os maus tratos na Infância, a cidade de S. João da Madeira irá “vestir-se” de azul, em especial no dia 6, data de realização das “12 horas a correr por uma causa”, cujos participantes vão percorrer a Praça Luís Ribeiro e ruas circundantes, entre as 11h00 e as 23h00.

Ao longo desse sábado, haverá muitas atividades e desafios “fora da caixa”, que vão estimular a criatividade, promover a autoestima e o trabalho de equipa, com o objetivo comum de “partilhar afetos” e de “promover a solidariedade”, como realça a informação disponibilizada pela CPCJ de S. João da Madeira.

Um dos destaques do dia está agendado para as 18h00, com a CPCJ de S. João da Madeira a deixar um convite a todos para se unirem no desafio de “fazer parte do maior laço azul humano”, que será formado no centro da Praça Luís Ribeiro.

A participação nestas atividades é gratuita, mas é necessária a inscrição através do preenchimento de formulário online disponível no link https://tinyurl.com/y47pxmvo. Depois é só preciso seguirem o pedido simples da CPCJ: “Vestirem-se de azul e estarem abertos à colaboração com o outro”.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *