Educação, Mação

Erasmus + realizou encontro nacional em Mação

Mais de uma centena de professores, técnicos e diretores de escolas do ensino escolar, superior, profissional e de adultos, reuniram em Mação, no dia 10 de janeiro 2019, numa sessão de divulgação de oportunidades de cooperação internacional.

A sessão decorreu por sugestão do Instituto Politécnico de Tomar, através do seu Centro de Estudos Politécnicos de Mação, em colaboração com o Município e o Agrupamento de Escolas Verde Horizonte. Estiveram presentes agrupamentos de escolas, municípios, universidades, escolas profissionais e associações educativas, do Norte e Centro do País.

Na sessão de abertura, o Diretor do Agrupamento de Escolas, José António Almeida, deu as boas vindas e apresentou o Projeto Pedagógico e Estratégico do Agrupamento.

O Presidente da Câmara Municipal de Mação, Vasco Estrela, realçou a estratégia do Município e a sua abertura, designadamente ao nível do ensino e do Museu, para colaborar com outras escolas e municípios.

A responsável da agência, Vera Caeiro, explicou como o programa Erasmus + se desdobra em diferentes setores, de todos os níveis e modalidades de ensino, formal e informal. Mação foi reconhecido, desde 2016, como Município da Rede Unesco de Cidades da Aprendizagem e do Ensino. Esta jornada foi um momento importante na concretização dos compromissos de Mação no âmbito desta rede.

Durante o dia funcionaram quatro grupos de trabalho, que permitiram compreender o enquadramento de cada ação, como preparar as candidaturas e quais os critérios de avaliação dos projetos.

Num esforço concertado, o Instituto Politécnico de Tomar (no domínio do ensino superior), o Agrupamento Verde Horizonte (no domínio do ensino escolar e profissional) e o Município (no domínio da educação de adultos) irão promover projetos articulados, abrindo a todos os setores de Mação as possibilidades de mobilidade de formadores (até 2020) e também de alunos (a partir de 2021). Estes projetos estarão todos articulados no âmbito da rede UNESCO, colaborando também com a Cátedra UNESCO-IPT de Humanidades e Gestão Territorial e os programas de mobilidade Erasmus + já existentes nos cursos do IPT que funcionam no Museu.

Os projetos apresentados partem de uma análise das necessidades de formação do pessoal educativo, e podem ter a duração de um a dois anos, com inicio ainda em 2019. O foco dos projetos é um planeamento do que se pretende fazer, envolvendo um ou mais grupos de países e incluindo cursos, missões de ensino e outras atividades, com uma duração mínima de 2 dias e máxima de 2 meses. As candidaturas podem ser apresentadas por escolas ou por consórcios, envolvendo pelo menos três parceiros (podendo a coordenação ser assegurada por outras entidades, como os municípios). Podem ser envolvidas outras entidades como organizações de acolhimento para formação.

Na pausa dos trabalhos, para almoço, os participantes puderam conhecer o excelente curso profissional de restauração do agrupamento de Mação.

Artigo Anterior

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *