Cultura, Seixal

34.º Festival de Teatro do Seixal de 17 de novembro a 9 de dezembro

image002 (1)

A 34.ª edição do Festival de Teatro do Seixal decorre de 17 de novembro a 9 de dezembro e irá percorrer o concelho com diversas representações nos palcos do Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal, do Cinema S. Vicente, Auditório José Queluz e das coletividades de cultura e recreio do concelho. Esta edição apresenta 9 peçasapresentadas por atores e grupos consagrados, mas também por grupos amadores do concelho. A noite de abertura, a 17 de novembro, decorre no Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal e apresenta a peça «Rabo de Saia», que mostra as peripécias dos já conhecidos Quim (António Melo), António (Fernando Ferrão), Xavier (Joaquim Nicolau) e Manel (Almeno Gonçalves). Depois de «Crise dos 40» e da «Loucura dos 50», o grupo volta a reunir-se para, em torno de uma mudança de sexo de um deles, refletir de forma divertida sobre preconceitos, desejos, traumas e identidade.

 

Com texto de Filipe Homem Fonseca e Rui Cardoso Martins, «Filho da Treta» é a peça que encerra o 34.º Festival de Teatro do Seixal, no dia 9 de dezembro. Entre a vida que era uma selva, noutro tempo, e a vida que é uma selfie, nos tempos que correm, a trama desenvolve-se em torno da irritação que opõe duas gerações perdidas, com uma conversa que vai das tascas gourmet aos refugiados, dos paus de selfie às novas famílias e outras pragas que assolam o mundo moderno. A dramatização desenvolve-se em torno das figuras do pai Zezé (José Pedro Gomes), na sua luta contra o bom-senso, a solidariedade, o trabalho e outros conceitos primeiro-mundistas, e o seu filho Júnior (António Machado) que anda de bicicleta desmontável. Num tempo em que as redes sociais monopolizam a genuína conversa da treta, o código genético transmite-se de geração em geração e surge a peça que faltava para conciliar gerações desavindas pelas tretas que se contam uma à outra.

 

 

Programa

 

Dia 17 de novembro, sexta-feira, 21.30 horas

Rabo de Saia

De: Roberto Pereira

«Rabo de Saia» apresenta as peripécias dos já conhecidos Quim (António Melo), António (Fernando Ferrão), Xavier (Joaquim Nicolau) e Manel (Almeno Gonçalves). Depois de «Crise dos 40» e da «Loucura dos 50», o grupo volta a reunir-se para, em torno de uma mudança de sexo de um deles, refletir de forma divertida sobre preconceitos, desejos, traumas e identidade.

Com: Almeno Gonçalves, Joaquim Nicolau, António Melo e Fernando Ferrão

Produção: Margem Narrativa

Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal

 

Dia 24 de novembro, sexta-feira, 21.30 horas

Chá Pra 9

Uma tertúlia à moda antiga, em torno de uma mesa de café, onde basta um pouco de água e umas folhinhas de chá, num encontro em que estão em foco a tristeza, a saudade, o amor e a amizade. Uma xícara, duas talvez, acompanhada por palavras poéticas que expressam a verdade interna de cada um e as grandes verdades do mundo, pode bem ser quanto baste para aliviar as dores da alma, quando não mesmo as do corpo. Um momento apenas, talvez, mas que não vai querer perder.

Grupo de Teatro Almagesto/AESCA

Auditório José Queluz, Junta de Freguesia de Corroios

 

Dia 25 de novembro, sábado, 21.30 horas

C(ri)ses e Fa(r)dos

Teatro de revista à boa maneira portuguesa por um grupo sedeado no Seixal. A mordacidade a que já nos habituou este género teatral genuinamente português, com o bom humor de que tanto precisamos para aguentar um quotidiano cada vez mais confuso e aflitivo.

Grupo Cénico José Viana

Sociedade Filarmónica União Arrentelense

 

Dia 30 de novembro, quinta-feira, 21.30 horas

Daqui Ninguém Passa!

«Daqui Ninguém Passa!» é uma peça que nasce a partir do livro homónimo de Isabel Minhós Martins e Bernardo P. Carvalho (Planeta Tangerina, 2014). Na dramatização, um general entende por bem manter um lado do palco vazio, a melhor forma de assegurar a sua presença na peça de teatro sempre que lhe apetecer ser o protagonista. Para que assim seja, coloca um soldado de guarda do palco para impedir que as outras personagens tomem inesperado protagonismo. Este é o ponto de partida, mas algo de inesperado acontece.

Criação coletiva: Atos Urbanos e Turma de Teatro da UNISSEIXAL – Universidade Sénior do Seixal

Encenação e direção: Joana Sabala

Produção: Teatro de Areia / O Mundo do Espectáculo

Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal

 

Dia 1 de dezembro, sexta-feira, 21.30 horas

Off

Construído a partir de textos de Alberto García Martín, guionista no cinema, neste espetáculo podem encontrar-se as referências ao cinema e a um imaginário cinéfilo dos anos 40 e 50, reforçadas pela construção cénica, interpretação, espaço, mobiliário, adereços e figurinos.

«O Fã», «O Detetive, a Mulher e Kevin O’Connor», «A Amiga», «Off» e «Um Filme Difícil» trazem-nos episódios distintos, contemplando situações inverosímeis, inusitadas e absurdas, que nos levam além dos limites da surpresa, dando suporte a uma comicidade ao mesmo tempo contida e ilimitada.

Texto: Alberto García Martín

Encenação: Manuel João

Com: Érica Afonso, Inês Possante, Lara Luz e Rita Miranda

Produção: Teatro & Teatro – O Mundo do Espectáculo

Cinema S. Vicente

 

Dia 2 de dezembro, sábado, 21.30 horas

Circuito Habitual

«As pessoas acreditam na mentira. Com o tempo o senhor vai ver. A verdade é sempre surpreendentemente rejeitada». Quem o diz é uma personagem de «Circuito Habitual». Um cidadão de conduta exemplar que é também um informador e que passa a ser suspeito dos mesmos crimes que denunciou, acabando convocado a prestar esclarecimentos sobre as denúncias de que foi alvo. A partir deste ponto, acompanhamos a personagem no detalhe do sistema e dos atalhos das denúncias caluniosas, ao mesmo tempo que a ouvimos justificar esta atividade pelo prazer que obtém na criação e manipulação de factos de acordo com os seus interesses.  Uma reflexão muito pertinente em tempo de notícias falsas e de conjuras jornalísticas.

Texto: Jean-Claude Carrière

Teatro Extremo

Clube Recreativo da Cruz de Pau

 

Dia 7 de dezembro, quinta-feira, 21.30 horas

Conversas Imaginárias

Três personagens históricas são entrevistadas num programa televisivo, dando uma perspetiva de quem são e o que fizeram. Em jeito de jogral moderno, uma abordagem a diferentes temas da história elaborada num registo cheio de humor e acutilância.

Texto: Helder Costa

GRUTUS – Grupo de Teatro da União Seixalense

Sociedade Filarmónica União Seixalense

 

Dia 8 de dezembro, sexta-feira, 21.30 horas

Comédia Dois ou Três

«Ai que prazer./ Não cumprir um dever,/ Ter um livro para ler./ E não o fazer!», já dizia Fernando Pessoa. Nesta peça, o livro para ler é uma peça de teatro. A história de duas amigas que se encontram para escrever um texto teatral e cedo se apercebem que melhor do que se dedicarem ao ato criativo a que se propõem… é mesmo não o fazer.

Trabalhadores de Sonhos/Projeto Ficções

Sociedade Filarmónica Operária Amorense

 

Dia 9 de dezembro, sábado, 21.30 horas

Filho da Treta

Entre a vida que era uma selva, noutro tempo, e a vida que é uma selfie, nos tempos que correm, a trama desenvolve-se em torno da irritação que opõe duas gerações perdidas, através de uma conversa que vai das tascas gourmet aos refugiados, dos paus de selfie às novas famílias e a outras pragas que assolam o mundo moderno.

A dramatização desenvolve-se em torno das figuras do pai Zezé, na sua luta contra o bom-senso, a solidariedade, o trabalho e outros conceitos primeiro-mundistas, e o seu filho Júnior que anda de bicicleta desmontável. Num tempo em que as redes sociais monopolizam a genuína conversa da treta, o código genético transmite-se de geração para geração e surge a peça que faltava para conciliar gerações desavindas pelas tretas que se contam uma à outra.

Com: José Pedro Gomes e António Machado

Texto: Filipe Homem Fonseca e Rui Cardoso Martins

Encenação: Sónia Aragão

Força de Produção

Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal

Artigo Anterior

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *