Marinha Grande, Sociedade

Câmara aprova ORU do Centro da Marinha Grande

Portal_Nacional_dos_Municipios_e_Freguesias_Marinha_Grande_20170925_194028

A Câmara Municipal deliberou, na sua reunião de 22 de setembro, submeter o projeto de Operação de Reabilitação Urbana Simples (ORU) do Centro da Marinha Grande, à apreciação da Assembleia Municipal, uma vez decorridos os trâmites legais previstos nomeadamente quanto à recolha do parecer do IHRU e submissão a discussão pública.

A delimitação da Área de Reabilitação Urbana (ARU) do Centro da Marinha Grande foi aprovada pela Assembleia Municipal a 24 de novembro de 2014, correspondendo a uma área de cerca de 56 hectares e abrangendo o núcleo mais antigo da cidade, onde se localizam 586 edifícios públicos e privados.

Na sequência disso, a Câmara Municipal aprovou, no passado dia 21 de julho, o projeto da ORU, orientado por uma Estratégia de Reabilitação Urbana (ERU), tendo o mesmo sido submetido à apreciação do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, I.P. (IHRU), para emissão de parecer. O período para a respetiva discussão pública decorreu de 14 de agosto a 11 de setembro de 2017.

A presente operação de reabilitação urbana assume-se como um elemento prático de apoio à atividade privada, conjugada com a atuação do Município ao nível dos investimentos em espaços e edifícios públicos.

O Centro da Marinha Grande tem condições excelentes para se tornar um pólo dinâmico, atendendo à sua localização, às referências históricas que encerra, aos espaços públicos e edifícios que lhe dão carácter. Apesar destas potencialidades é evidente a degradação de muitos dos imóveis localizados nesta área que acabam por se encontrar devolutos, por falta de condições de habitabilidade.

Nos últimos anos, fruto dos apoios comunitários, foi possível desencadear um conjunto de ações que possibilitaram a transformação da cidade a vários níveis, aproveitando todos os mecanismos financeiros de apoio disponíveis para qualificar o Centro da Marinha Grande, no âmbito da reabilitação do património edificado e da melhoria das condições de mobilidade e acessibilidade, com inúmeras intervenções ao nível do espaço público.

A reabilitação urbana terá de resultar do envolvimento de todos os que consideram esta área como um espaço de oportunidades para habitar, visitar ou desenvolver as suas atividades económicas. Importa desafiar os atores locais a fixar no centro, atividades (comércio e serviços) que com ele podem coexistir, valorizando novas formas de habitar, trabalhar ou aprender.

Artigo Anterior

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *