Cultura, Elvas

“Todas as Noites” de Rui Serra em exibição no Museu de Arte Contemporânea de Elvas

unnamed

A exposição “Todas as Noites”, do artista elvense Rui Serra, inaugura dia 29 de abril, pelas 16.00 horas, no Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE), sob a curadoria de Ana Cachola.

O projeto, patente ao público até 25 de junho, assinala o primeiro momento das comemorações dos 10 anos do MACE, espaço cultural inaugurado a 8 de julho de 2007 para albergar a Coleção António Cachola.

“Todas as Noites” é uma exposição onde Rui Serra dá a entender ao público o pensamento do seu processo criativo: “Todos os dias, sempre que pinto, uma noite cai sobre mim. Associo a noção de noite à metáfora do manto que cobre o dia, o véu que absorve e que retém todas as coisas. Essa noite considero-a uma metáfora do meu processo de trabalho, uma forma alternativa de ‘ver’ a realidade”.

Ao longo da sua obra, Rui Serra tem vindo a questionar entre as possibilidades da pintura, enquanto superfície de coincidência e dissidência do abstrato e do figurativo, e uma ontologia da vontade pictórica filiada no gesto mecânico. “No meu caso, a execução manual do todo e das partes, o sentir literalmente a totalidade da pintura, torna-se uma tarefa quase mecânica. Tento no processo eliminar a marca da mão, como sinal de uma expressividade que considero ‘implosiva’, hiper-controlada, e simulacro de uma acção maquinal”, refere o pintor.

As diversas obras que compõem a exposição apresentam-se em formatos distintos – pinturas, desenhos e maquetes – possuindo significação individual mas concorrendo no seu conjunto para um entendimento ritualístico da pintura e da sua capacidade de produzir e criar realidade.

“Nesta exposição, o dispositivo da noite, na sua polissemia ocidental, é tomado enquanto tropo do gesto criativo de Rui Serra” refere Ana Cristina Cachola, curadora da exposição. Para a curadora, “em cada obra apresentada, Rui Serra desvela o processo subjectivo de descoberta de verdades universais. Estas verdades não são, contudo, dogmáticas na sua relação com o espectador, servindo, isso sim, enquanto matriz de verdade possível e dependência hermenêutica daquilo que cada um vê, quer ou consegue ver. Tudo o que é visto é verdade para aquele que vê.”

 

Integrado no programa de comemorações dos 10 anos do MACE, promovido pela Câmara Municipal de Elvas e a Coleção António Cachola, estão previstas várias ações, das quais se destacam:

– a 18 de maio, no âmbito da ARCO Lisboa – Feira Internacional de Arte Contemporânea – realiza-se uma visita guiada à exposição de José Pedro Croft, artista que este ano representa Portugal na Bienal de Veneza;

– atribuição de 10 comissões a 10 jovens artistas portugueses, que ainda não estão representados na Coleção António Cachola, para a criação de trabalhos inéditos;

– a 8 de junho, Ana Rito inaugura uma exposição individual, com a curadoria de Isabel Nogueira, tornando-se a primeira artista contemporânea portuguesa a expor no Forte de Nossa Senhora da Graça, em Elvas;

– a 8 de julho, dia em que se assinalam os 10 anos de existência do MACE, inaugura “Uma Coleção = Um Museu | 2007-2017”, com curadoria de João Silvério a partir da obras da Coleção António Cachola. A exposição alarga-se a mais nove espaços da cidade de Elvas e outros locais do Alentejo e sul de Espanha;

– a 29 de novembro, a Galeria Municipal do Porto acolhe obras da coleção, numa seleção que incluirá alguns dos novos trabalhos resultantes das 10 comissões atribuídas a jovens artistas portugueses, com a curadoria de João Laia.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *