Cultura, Marinha Grande

Luísa Sobral e Noiserv atuam no Teatro Stephens na Marinha Grande

Luisa_Sobral_1_728_2500
A Casa da Cultura Teatro Stephens apresenta no próximo mês de abril quatro espetáculos que incluem teatro, música e uma performance narrativa. A cantora e compositora Luísa Sobral, autora do tema “Amar pelos dois”, vencedor do Festival da Canção 2017 pisa este palco da Marinha Grande no dia 22 de abril e o conhecido músico Noiserv atua a 6 de maio.

A programação dos próximos espetáculos no Teatro Stephens é a seguinte:

1 de abril. sábado . 21h30
“CASA DO MUSGO” pelo GRUPO DE TEATRO DO SPORT IMPÉRIO MARINHENSE | Espetáculo destinado a comemorar o DIA MUNDIAL DO TEATRO que se assinala no dia 27 de março.
Sinopse |
Algures no final dos anos sessenta, uma casa que já foi palácio e uma família que já foi rica servem de base à nossa história, que, caso não fosse completamente inventada, podia ter uma pontinha de verdade.
“Casa do Musgo” retrata o quotidiano da família Paio Pires e de quem os visita. Aqui, poucos serão os que afinam das sete oitavas: canários gagos, carteiros mudos, chapéus de pontas, termómetros esquisitos, lagartas com muitas patas e enxertos para todos os gostos, ajudam inevitavelmente a atrapalhar o frágil equilíbrio dos nossos anfitriões.
Uma bruxa que adivinha quase tudo, a matriarca que não acredita em tudo e um mordomo que sabe mesmo tudo, dão o mote ao que resta do ciclone de 1941: Casa do Musgo, justamente antigo Palácio do Musgo Verde.

Ficha Técnica e Artística |
Autor- Fernando Silva
Encenação- Cesário Ribeiro
Cenografia e direcção de actores- Jorge Gomes
Sonoplastia e luz- José Ferreira
Montagem e transporte- António Mendes e António Neto
Elenco:
Mordomo Costa- João Trindade
Patrão Paio Pires- José Vieira
Doutor Patrício – João Moleirinho
Gaspar- Cesário Ribeiro
Dona Mercedes- Beta Moleirinho
Madame Sabrina- Vânia Galo
Marta- Vânia Galobeiro
Classificação Etária | M/6
Duração | 60m
Preço | 5€

13 de abril . quinta . 21h00
CONCERTO FINAL DO ESTÁGIO DA ORQUESTRA DE SOPROS
Sinopse |
Concerto Final do Estágio de Orquestra de Sopros que assinala o trabalho desenvolvido por músicos da região durante uma semana intensiva,  sob a batuta dos maestros Luís Casalinho e Sérgio Ventura. Este estágio é realizado numa parceria entre o Orfeão de Leiria – Conservatório de Artes, a Escola de Artes da Sociedade Artística e Musical dos Pousos e o Município.
Ficha Técnica e Artística | Maestros Luís Casalinho e Sérgio Ventura
Classificação Etária | M/3
Duração | 60m
Preço | Gratuito

22 de abril . sábado . 21h30
LUISA SOBRAL “LUÍSA” | Espetáculo integrado nas Comemorações do 25 de abril de 1974
2016 “Luísa” é o quarto álbum de originais de Luísa Sobral, editado em 2016 e agora apresentado ao vivo.
Neste disco estreitam–se a cumplicidade e os laços afectivos com quem ouve, em novas canções e letras tocantes, que a colocam num novo patamar  de maturidade criativa: ainda mais segura, exigente, autêntica e espontânea. Foi gravado em Los Angeles, no mítico United Recording Studios, por onde já passaram nomes históricos como Frank Sinatra, Ray Charles, Ella Fitzgerald, Jay – Z, Radiohead ou U2. Ao leme da produção esteve Joe Henry, vencedor de 3 Grammy Awards, que para além de uma sólida carreira em nome próprio assina trabalhos de músicos como Elvis Costello, Solomon Burke, Beck ou Madonna.
Após ter vivido por 4 anos nos EUA, Luísa Sobral estreou – se em 2011 com a edição de “The Cherry on My Cake”, um álbum bem recebido pelo público e pela crítica. Seguiu-se “ There’s A Flower In My Bedroom” (2013), com 17 canções e prestigiados convidados, como Jámie Cullum e os portugueses António Zambujo e Mário Laginha.
A sua discografia conta ainda com “Lu – Pu – I – Pi – Sa – Pa”, editado em 2014, que expande o seu universo para fora dos limites estéticos dos seus dois primeiros discos. Foram sobretudo os espectáculos e as participações televisivas especiais, como a que assegurou no programa de Jools Holland, na BBC, que impulsionaram o seu percurso dentro e além-fronteiras.
Espanha, França, Suíça, Alemanha, Inglaterra, Marrocos, China, Zimbabwe e África do Sul já figuram entre as suas escalas. Em 2017, Luísa Sobral volta a percorrer o país, agora com novas canções. Em palco, está em casa. E tem a amabilidade generosa de nos convidar a visitá-la. E de nos fazer sentir em casa.

Ficha Técnica e Artística |
Luísa Sobral – Voz e Guitarra
Carlos Miguel Antunes – Bateria
João Hasselberg – Baixo, contrabaixo
João Salcedo – Piano e teclados
Mário Delgado – Guitarras
Classificação Etária | M/4
Duração | 75 minutos (s/ intervalo)
Preço | 12,50€

23 de abril . domingo . 11h00
MEU NOME É LIBERDADE – Performance com base no livro Deu-me o Nome Liberdade o Avô Agostinho da Silva, seguida de atelier de ilustração | Integrado nas Comemorações do 25 de abril de 1974
Sinopse |
Este é um espetáculo performativo que grita aos quatro ventos a palavra LIBERDADE, composto por uma primeira parte por uma narrativa musicada e na segunda parte por um atelier de ilustração, culminando num momento em que artistas e público se envolvem num momento comum fruto do envolvimento conjunto: Juntos somos liberdade!
Deu-me o nome LIBERDADE o avô Agostinho da Silva conta a história do filósofo, professor e pensador Agostinho da Silva, nas palavras do seu gato LIBERDADE. Uma obra destinada a todas as idades, sendo particularmente aconselhada a partir do 1º ciclo do ensino básico.
” Esta é a história da amizade entre o pensador português Agostinho da Silva e o gato por ele adotado a quem deu o nome LIBERDADE. Fala de partilha, de amizade, do ser e do ter e acima de tudo de LIBERDADE.
Uma história de vida para miúdos e graúdos, que mais do que pôr a imaginação a funcionar, vai deixar todos a pensar.”
” dizia que ao falhar ou nos enganarmos no caminho, só temos de tentar de novo, mais um bocadinho”
A mim o avô Agostinho deu-me o nome LIBERDADE, que para todos dizia, é a chave para a felicidade!
In Deu-me o nome LIBERDADE o avô Agostinho da Silva

Ficha Técnica e Artística |
Autores do livro: Patrícia Martins e Tenório (Diogo Monteiro)
Edição: Arquivo Bens Culturais
Patrícia Martins, licenciada em Animação Cultural e mestre em Gestão Cultural, trabalha há vários anos na área de literatura infantil e serviço educativo e é a autora do texto. Gosta de sorrisos e acredita que a liberdade se conquista com base na responsabilidade e na força de vontade como força motriz do sucesso. É mãe do Simão e da Mia e adora música e passear de bicicleta.
Tenório, ou Diogo Monteiro, é arquiteto, sempre gostou de desenhar e desenvolveu as ilustrações deste livro. É um colecionador, os objetos que vai guardando no seu dia-a-dia são muitas vezes o ponto de partida para o seu imaginário. Tem como um dos passatempos favoritos dar vista a personagens criadas a partir de estranhos com que se cruza no autocarro ou na esplanada do café.
Bruno Julião, é músico, fotógrafo e desenhador de moldes,  “Se dormir fosse uma opção, facilmente abdicaria dela para ter mais tempo para fazer o que gosto”.
Classificação Etária | M/4
Duração | 70m
Preço | 2€

6 de maio . sábado . 21h30
NOISERV 00:00:00:00
Sinopse |
Com quase 12 anos de existência, Noiserv, “homem-orquestra”, ou banda de um homem só, tem vindo a afirmar-se como um dos mais estimulantes projectos da nova geração de músicos portugueses. No  currículo conta com o bem sucedido disco de estreia “One Hundred Miles from Thoughtlessness” [2008], o EP “A Day in the Day of the Days” [2010], e “Almost Visible Orchestra” [2013], disco distinguido como melhor do ano pela Sociedade Portuguesa de Autores e recentemente re-editado internacionalmente pela editora francesa naive, casa mãe de projetos como Yann Tiersen, M83, entre muitos outros.
Três anos depois da edição do último longa duração, Noiserv regressa com disco novo.
00:00:00:00 é o nome do sucessor de “Almost Visible Orchestra” e é descrito pelo músico lisboeta como “a banda sonora para um filme que ainda não existe, mas que talvez um dia venha a existir”.
É um disco diferente daquilo que Noiserv nos tem habituado, a “orquestra de sons” que tão bem lhe conhecemos deu lugar ao som de um piano tocado a muitas mãos, enquanto da sua voz vemos sair, nos temas não instrumentais, histórias em português.
O artwork ganha uma posição de destaque onde a sua total transparência, de cor mas não de contéudo, reforça a ausência do filme ainda por fazer com a história de qualquer um de nós.
Oito canções perfazem 00:00:00:00, um dos discos mais conceptuais do músico lisboeta.

Ficha Técnica e Artística |
David Santos
Classificação Etária | M/6
Duração |60m
Preço | 8€

Bilheteira: Teatro Stephens, de terça-feira a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 e nos dias de espetáculos até às 22h00.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *