Guimarães, Sociedade

Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Guimarães vai ser um hotel com alunos

Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Guimarães vai ser um hotel com alunos

Um modelo de aprendizagem centrado no estudante, baseado na aquisição de conhecimentos e competências e com uma formação fundamentalmente prática nas áreas da gestão turística, hotelaria, gastronomia e tecnologia alimentar, é o conceito de Escola-Hotel que Guimarães terá brevemente com a instalação da Escola Superior de Hotelaria e Turismo, o que permitirá aumentar a oferta formativa do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave no concelho de Guimarães, reunindo cerca de meio milhar de alunos, ao que tudo indica, a partir de 2018.

A localização da escola ficará definida muito em breve, existindo nesta altura três possíveis espaços para acolher um projeto inspirado nos melhores modelos internacionais, assente no conceito “aprender fazendo” (learning by doing), onde todas as unidades curriculares terão uma forte componente prática em contexto real de trabalho. A Quinta do Costeado, na Cruz de Pedra, a Quinta da Cantonha, na Costa, e as antigas instalações da empresa “Trimco – Equipamentos Frigoríficos, Lda”, em Couros, são as possibilidades que estão em estudo.

A Escola pretende ser também um laboratório de investigação aplicada, onde estudantes e docentes possam procurar respostas para desafios concretos colocados pelas empresas do setor hoteleiro, do setor alimentar, da restauração, agentes de promoção turística, entre outros, criando-se uma relação com a comunidade que será determinante para o seu sucesso. «Vamos criar uma Escola de referência, que incluirá respostas inovadoras e que resulta de um esforço conjunto entre Câmara, IPCA e Governo», referiu Domingos Bragança.

Acompanhado na sessão por João Carvalho e Agostinho Silva, responsáveis do IPCA, bem como por Filipe Fontes, Diretor do Departamento de Urbanismo e de Promoção do Desenvolvimento da Autarquia, o Presidente do Município de Guimarães lembrou que a Câmara Municipal «apenas pode avançar para a aquisição de um imóvel, depois de aprovada formalmente a função que pretende instalar, neste caso, pelo Ministério da Ciência, da Escola Hotel». João Carvalho destacou «o entusiasmo e vontade de querer do senhor Presidente da Câmara», enquanto Agostinho Silva disse que a «alargada oferta educativa do novo projeto inclui licenciaturas e mestrados» nas áreas da indústria alimentar, hoteleira e turismo.

Valências (também) para a sociedade civil
Em Guimarães, a Escola Superior terá uma “Boutique Hotel”, unidade hoteleira com cerca de 10 quartos com características de hotel de charme a ser incluído na rede dos Solares de Portugal e na rede Pousadas de Portugal. No seu interior, haverá um restaurante de serviço à la carte, com uma sala de serviço com cerca de 40 lugares sentados, em que a gestão do serviço de sala e do serviço de cozinha é efetuada pelos estudantes dos diferentes cursos, sob a supervisão dos docentes.

O Laboratório de Restauração, onde serão feitos estudos de mercado com potenciais consumidores, inovação e desenvolvimento de novas práticas gastronómicas e artes culinárias, bem como a criação de um Bar Pedagógico, que permitirá aos alunos experimentar e praticar o serviço de bar e de cafetaria em contexto de hotelaria, são alguns dos exemplos dos espaços pedagógicos da nova Escola, que terá também uma cozinha de catering e cafetaria de hotelaria com serviço tipo free-flow (fluxo livre de clientes).

Esta cozinha será constituída por todos os espaços habituais numa cozinha profissional: armazéns, salas de preparação, blocos de confeção de catering, zona de grill, copas de utensílios e de louça, zona de gestão de resíduos e zona de pizzas e massas. Destacam-se nestas instalações as salas de panificação, pastelaria e produção de gelados artesanais. Na Escola, haverá ainda um laboratório de aplicação gastronómica e tecnologia alimentar, prova de vinhos e de análise sensorial e um laboratório de microbiologia alimentar, ferramentas importantes para estudos de segurança alimentar, melhoria de especialidades gastronómicas tradicionais e realização de testes de rotina a outros produtos alimentares.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *