Cultura, Póvoa de Varzim, Sociedade

José de Azevedo evoca tragédia de 1892 na Póvoa de Varzim

José de Azevedo evoca tragédia de 1892

No dia 8 de março, quarta-feira, às 18h00, irá realizar-se, na Biblioteca Municipal Rocha Peixoto, uma conferência intitulada “Evocação da tragédia de 27 de fevereiro de 1892”, por José de Azevedo.

Sobre esta tragédia, o jornalista e escritor poveiro referiu o seguinte:

“No passado dia 27 de fevereiro fez 125 anos que aconteceu a maior tragédia marítima da Póvoa de Varzim, roubando a vida a 105 pescadores: 70 da Póvoa e 35 de Afurada. Segundo a imprensa da época, o naufrágio deixou 50 viúvas e 121 órfãos na nossa comunidade piscatória. Um quadro de miséria que comoveu o país inteiro, motivando a maior campanha nacional de solidariedade. Não houve associação ou clube, que não se cotizasse ou corporação de bombeiros que não fizesse largo peditório para auxílio das famílias enlutadas. A rainha Dona Maria abriu uma subscrição pública, as colónias estrangeiras mandaram donativos e alguns escritores prestigiados, como João de Deus, Pinheiro Chagas, Lopes de Mendonça, Ramalho Ortigão e Alfredo Keil, entre outros, publicaram textos cuja receita reverteu para as famílias das vítimas.

O naufrágio de 1892 não só cobriu de luto a Póvoa inteira como alterou os hábitos e trajes da comunidade piscatória. A história da Póvoa pode dividir-se em “antes” e “depois” da grande tragédia.

Porque reputamos de muito interesse para a história trágico-marítima da cidade, vamos falar da tragédia com base na correspondência oficial do Delegado Marítimo da Capitania da Póvoa de Varzim, do Chefe do Departamento Marítimo do Norte e outras repartições da Marinha. Outras informações importantes recolhemos da imprensa local e nacional.”

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *