Palmela, Sociedade

Dia Internacional da Mulher é vivido em Palmela “Lado a Lado”

unnamed

No dia 1 de março, a Câmara Municipal de Palmela aprovou, por unanimidade, uma proposta de saudação ao Dia Internacional da Mulher, apresentada pela maioria, onde se abordam os desafios vividos pela mulher atual, que procura conjugar carreira, família e imagem, sem esquecer rituais bárbaros que se mantêm, ainda, em diversas culturas – caso da mutilação genital feminina ou dos casamentos na infância.

Recordando que, em Palmela, a relação entre feminino e masculino é entendida numa perspetiva de complementaridade, o Município tem vindo a aprofundar o lema “Lado a Lado”, que dá o mote às comemorações desta data e que representa o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido dentro da Câmara Municipal, no campo da Igualdade de Género. Numa organização onde mulheres e homens se encontram em pé de igualdade, no Executivo, nos cargos dirigentes, de chefia e coordenação, através de uma cultura de mérito, a implementação da comunicação inclusiva, a flexibilização de horários de trabalho, a formação em áreas comportamentais, a partilha das licenças parentais entre homens e mulheres, o apoio psicológico diário ou a formação para descendentes das trabalhadoras e trabalhadores são apenas algumas das medidas desenvolvidas no âmbito do Plano Municipal para a Igualdade de Género.

 

O texto da saudação reproduz-se integralmente abaixo:

«O Dia Internacional da Mulher é celebrado a 8 de março, há mais de um século. Chegados a 2017, a situação é claramente diferente da vivida em 1910 – os avanços no que respeita à emancipação e igualdade de direitos e oportunidades colocam a mulher moderna do mundo civilizado num patamar completamente diferente do das suas mães, avós e bisavós. O exercício da cidadania, a educação, o emprego, a família, a sexualidade, a maternidade, a saúde – todos estes temas são abordados, hoje, com um novo olhar, onde a personagem central é a pessoa, as suas expetativas, ambições e direitos, independentemente do género.

 

No entanto, uma reflexão aprofundada permite-nos aferir que, liberta de grilhões do passado, a mulher atual se vê confrontada com um conjunto de outras problemáticas que, nunca tanto como agora, se fazem sentir. A ditadura da imagem, levada ao limite pelas indústrias da moda e do entretenimento, a competição laboral e as dificuldades para conciliar as vidas pessoal e familiar exercem uma pressão física e psicológica muitas vezes incomportável, que pode resultar, por exemplo, em distúrbios alimentares, ansiedade e depressão. De acordo com dados recentes da Organização Mundial da Saúde, cerca de 350 milhões de pessoas de todas as idades sofrem com depressão, que é, atualmente, a principal causa de incapacidade em todo o mundo, sendo as mulheres mais afetadas do que os homens.

 

Paralelamente, vivemos num mundo de polaridades, onde as problemáticas da sociedade moderna coexistem, ainda, com a violência doméstica, a discriminação no emprego (agravada pela recente crise económico-financeira) ou rituais bárbaros, como a mutilação genital feminina ou os casamentos na infância.

 

A igualdade de direitos e oportunidades, independentemente do género, mas também da nacionalidade, da raça, da cor, da religião, da orientação sexual, do estrato económico ou de qualquer outra característica, preferência ou crença, é o barómetro pelo qual podemos aferir a evolução da sociedade e continua, portanto – e mais do que nunca, no contexto macro – a merecer a nossa reflexão, debate e ação concertada.

 

Em Palmela, a relação entre feminino e masculino é entendida numa perspetiva de complementaridade e temos, por isso, vindo a aprofundar o lema “Lado a Lado”, que dá o mote às comemorações desta data e vai mais além, incorporando o espírito do trabalho que temos vindo a desenvolver, no campo da Igualdade de Género, dentro da Câmara Municipal.

 

Continuamos a implementação do Plano Municipal para a Igualdade de Género (PMIG) e adotámos, já, na organização e nos contactos com o exterior, a comunicação inclusiva. A resistência inicial a mais uma alteração na forma como escrevemos e nos expressamos tem vindo a ser substituída pela compreensão de que é importante, também através da linguagem, “curarmos” velhas feridas infligidas por muitos séculos de uma sociedade patriarcal, em que o feminino se viu relegado para segundo plano.

 

A análise do último balanço social permite-nos constatar que, no Município de Palmela, as oportunidades são para todas e para todos, sem necessidade de definição de quotas. No final de 2016, contávamos com 500 trabalhadoras e 397 trabalhadores, estando as mulheres representadas no Executivo Municipal, nos cargos de direção, chefia e coordenação, através de uma cultura de mérito, bem como, transversalmente, em todas as áreas de trabalho desenvolvidas pelo Município. Esta representação faz-se sentir, igualmente, nos órgãos colegiais internos, como júris de procedimentos concursais, conselhos de coordenação da avaliação de desempenho e grupos de trabalho vários.Orgulhamo-nos, também, de um conjunto de práticas conciliadoras entre as esferas profissional e familiar, promotoras de bem-estar social e psicológico, como a flexibilização de horários de trabalho, a formação em áreas comportamentais, a partilha das licenças parentais entre homens e mulheres, o apoio psicológico diário ou a formação para descendentes das trabalhadoras e trabalhadores.

 

Acreditamos que é nosso dever sensibilizar para este tema e, por isso, continuamos a trabalhar em parceria com diversas instituições na promoção de ações de formação sobre igualdade de género, que ajudem a mudar práticas e mentalidades nas escolas, no movimento associativo, nos corpos de bombeiros, na comunidade em geral.

 

O convívio promove o contacto e o conhecimento de outras realidades da organização, e porque respeitamos e desenvolvemos laços de afeto com aquilo que melhor conhecemos, o Município promove um conjunto de ações internas, no âmbito do Dia Internacional da Mulher. Assim, no dia 8 de março, às 15 horas, a Sociedade Filarmónica Humanitária é palco de um lanche convívio com animação, onde será exibido o filme “Caminhando Lado a Lado” e estarão patentes a Mostra D’Eles e D’Elas (exposição de trabalhos desenvolvidos pelas trabalhadoras e pelos trabalhadores, fora da sua atividade profissional) e o Mural Lado a Lado.

 

Para o público externo, no dia 12 de março, às 9h30, dinamizamos a “Caminhada Lado a Lado” – um percurso pedestre por Pinhal Novo, com partida no Largo José Maria dos Santos.

 

Por que é, realmente, “Lado a Lado” que trilhamos este caminho, a Câmara Municipal de Palmela, reunida a 1 de março de 2017, na Biblioteca Municipal de Palmela, saúda todas as mulheres e todos os homens e, em especial, as mulheres e os homens do concelho de Palmela, e convida a participar no programa comemorativo do Dia Internacional da Mulher.»

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *