Évora, Sociedade

Eborenses contribuem para defesa de causa ambiental e social

????????????????????????????????????

Os eborenses doaram 103 toneladas de roupa usada em 2016 à Associação Humana Portugal para lhes dar um fim social, contribuindo também para proteger o meio ambiente, pois evitaram a incineração deste material e com isso a emissão de 328,7 toneladas de CO2 para a atmosfera.

Estes dados foram agora revelados pela Humana que, em comunicado, agradece “o contributo de todos os eborenses na doação de roupa com um objetivo social, na medida em que comprova que estão cada vez mais sensibilizados para a importância da seleção dos resíduos, que, deste modo, podem ser transformados em recursos”.

Para a Câmara de Évora, a aposta na causa ambiental é de significativa importância, uma vez que está a desenvolver trabalho nesta área, de acordo com os compromissos assumidos como membro da Rede de Municípios para Adaptação às Alterações Climáticas e esta é mais uma forma de reforçar o trabalho no terreno.

Refira-se que a Humana Portugal é uma associação sem fins lucrativos que desde 1998 trabalha a favor da proteção do meio ambiente promovendo a reutilização têxtil e realizando programas de cooperação em África e de apoio local em Portugal. Recolheu durante o ano passado 103.719 kg de têxtil usado no Concelho de Évora para lhes dar um fim social, através dos 24 contentores distribuídos no espaço público.

A recolha de roupa é um serviço gratuito para os municípios e representa uma poupança significativa nos custos de recolha e eliminação de resíduos urbanos. Os recursos gerados pela Associação com a gestão de têxtil destinaram-se a programas de cooperação e ajuda social.

 

Menos emissão de CO2

Recorde-se que a reutilização e a reciclagem têxtil contribuem para a proteção do meio ambiente ao reduzir em parte os resíduos gerados pelos cidadãos, dando uma segunda vida à roupa que de outra forma iria parar ao aterro para incineração. Cada quilo de roupa que se reutiliza e não é incinerada evita a emissão de 3,169 kg de CO2 segundo dados da Comissão Europeia. As 103 toneladas recolhidas em 2016 no concelho de Évora representaram a não emissão de 328,7 toneladas de CO2 para a atmosfera.

Em 2016, a Humana recolheu 4.315 toneladas de roupa usada (o que representa 13.674 toneladas a menos de CO2). Conta com uma rede de cerca 1.300 contentores distribuídos por várias regiões de Portugal.

As roupas depositadas nos contentores têm dois destinos: uma parte é enviada para os centros de classificação da Humana Fundación Pueblo para Pueblo em Espanha e o restante é vendido para empresas de reciclagem. A Humana Fundación Pueblo para Pueblo é igualmente uma entidade sem fins lucrativos e colaboradora da Humana Portugal.

O vestuário enviado para os centros de classificação é distribuído da seguinte forma: 51% é preparado para reutilização: 13% é enviado para as lojas em segunda mão da Humana em Portugal e 38% corresponde a roupa de qualidade África: é vendida a preços baixos, impulsionando a criação de novos recursos de desenvolvimento.

36% não se encontra em estado que permita a reutilização pelo que é vendido a empresas de reciclagem têxtil, 5% é destinado a Combustível Derivado de Resíduos (CDR) com a ajuda de empresas especializadas e 8% do restante é destinado aos centros de tratamento de resíduos dado não ser possível a sua reciclagem ou reutilização.

 

A roupa como motor de cooperação para o desenvolvimento

Todos os recursos gerados pela atividade de recolha e valorização da roupa são dedicados ao objetivo social da organização. Graças à colaboração dos cidadãos, entre 2013 e 2015, foi possível destinar 1,4 milhões de euros para projetos de educação e agricultura em África, mais concretamente na Guiné-Bissau e Moçambique. Estes programas de cooperação são desenvolvidos em zonas rurais com altos níveis de pobreza, promovendo um crescimento sustentável e a melhoria das condições de vida junto das comunidades onde operam.

Esta valorização da roupa permite igualmente criar recursos que, em conjunto com as entidades públicas e privadas com quem a Humana estabelece parcerias, são destinados a iniciativas de sensibilização e de apoio local em Portugal.

Através da sua rede de lojas Segunda Mão a Humana promove a segunda vida da roupa como pilar da moda sustentável: não há peça de roupa mais sustentável do que a que já foi produzida. As lojas (7 em Lisboa e 1 no Porto) são essenciais neste trabalho de promoção da reutilização.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *