Mação, Sociedade

“Mação Florestal” foi tema de “À conversa com…”

conv_floresta007

O primeiro “À conversa com…” de 2017 teve lugar dia 27 de janeiro com António Louro que esteve à conversa sobre “Mação Florestal”. Por tudo o que representa, foi um tema concorrido de público e de intervenções.

António Louro é Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mação, preside à Aflomação – Associação de Produtores Florestais de Mação e é Presidente do Fórum Florestal, a mais representativa estrutura federativa da floresta portuguesa, com cerca de 50 associações e “muitos milhares” de produtores florestais.

Em Mação, após 2003, tem sido delineado um projeto que procura, acima de tudo, um novo modelo de Paisagem Sustentável. António Louro começou por fazer uma abordagem à situação do Concelho antes de 2003 em que, efetivamente, a atenção estava centrada no combate aos fogos, com estradões, pontos de água na floresta, vigilância, primeira intervenção e combate. Tudo necessário, mas que se verificou insuficiente.

Olhando para a nossa paisagem, e do país em si, percebe-se que o grande objetivo é voltar ao equilíbrio e á paisagem dos anos 70, voltar a ter uma floresta sem grandes incêndios. Neste momento, não obstante todos os esforços, a carga combustível é tremendamente elevada pelo António Louro considera “temer que venham aí anos perigosos”.

Apesar dos esforços e dos projetos, já apresentados diversas vezes aos Governantes, a mudança tem sido pouca, há muito planeamento, temos infraestruturas, mas o País continua a apostar mais no combate do que na prevenção. De notar que são gastos em Portugal cerca de 100 milhões de euros por anos com o combate aos incêndios. Mas as grandes fragilidades que levam aos grandes incêndios estão todas lá.

O grande drama em Mação é o facto de termos proprietários ausentes, que já não são atores na nossa paisagem. António Louro referiu que “há 50 anos tínhamos gente nas aldeias, cabras no mato, pomares, vinhas, olivais, cearas e a floresta eram pedaços pequenos em terrenos que não tinham grande produtividade. Havia um equilíbrio, hoje a floresta entra até aos quintais”.

Respondendo à questão “e agora?” António Louro referiu que as áreas ardidas em 2003 estão cheias de material combustível. É necessário efetivar as Zonas de Intervenção Florestal. De referir que as ZIF já criadas tiveram uma resposta de adesão positiva pelos proprietários mas falta investimento para as “trabalhar”. O almejado novo Modelo de Paisagem Sustentável assenta num Fundo Imobiliário Florestal, um condomínio de proprietários que faz a gestão dos espaços. Trata-se, no fundo, de uma Sociedade de Gestão Territorial que procura viabilizar financeiramente o projeto.

Alguns constrangimentos vão sendo ultrapassados com pequenas alterações que vão sendo feitas na Lei mas há outros que permanecem. António Louro referiu, a título de exemplo, a candidatura feita há 3 anos a um Projeto para aplicação de Fundos na manutenção das limpezas e infraestruturas que têm sido criadas e ainda não houve resposta.

De referir que o Orçamento da Câmara Municipal de Mação para 2017 contempla apoiar a efetivação das ZIF, de acordo com a legislação que, em breve, entrará em vigor.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *