Alenquer, Destaque, Sociedade, Torres Vedras, Turismo

Torres Vedras e Alenquer são candidatos a “Cidades do Vinho 2017”

conf-imprensa-apresentacao-de-candidatura-cidades-do-vinho-017

Os municípios de Torres Vedras e de Alenquer apresentaram uma candidatura conjunta à iniciativa “Cidades do Vinho 2017”, promovida pela AMPV (Associação de Municípios Portugueses do Vinho).

A apresentação da mesma aconteceu no dia 10 de novembro nas instalações de Dois Portos do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

Essa conferência de imprensa teve início com uma intervenção do presidente da Câmara Municipal de Alenquer, Pedro Folgado, que recordou o facto de o vinho ser um produto endógeno da região, razão pela qual se torna pertinente aquela candidatura até pelo fluxo de turistas que atualmente passa por Lisboa e que importa sobremaneira atrair, tornando Alenquer e Torres Vedras o verdadeiro destino enoturístico da capital.

Já o presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras frisou a crescente qualidade dos vinhos da região, os quais são produzidos no concelho de Torres Vedras em grande parte por adegas cooperativas. Carlos Bernardes referiu também na ocasião a importância da promoção no setor vitivinícola e do enoturismo, sendo que essa componente está atualmente a ser dinamizada nas Festas da Cidade. A importância das parcerias intermunicipais, tendo em conta o facto de os territórios não serem áreas estanques foi também salientado pelo edil.

Posteriormente, usaram da palavra os embaixadores desta candidatura, tendo José Bento dos Santos, presidente da Academia Portuguesa da Gastronomia, sido o primeiro a intervir, recordando a tradição longínqua dos vinhos da região, e reafirmando a necessidade de apostar na sua qualidade. Vasco D’Avillez, presidente da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa, o outro embaixador da candidatura presente, corroborou as palavras do orador anterior, recordando que a fama internacional dos vinhos de Lisboa remonta à época das invasões napoleónicas.

De referir que é também embaixador da candidatura o ex-provincial português da Ordem Franciscana, Vítor Melícias.

Recorde-se que os concelhos de Torres Vedras e de Alenquer são dois dos maiores produtores de vinho do país, sendo que aquela candidatura apresentada surge “no âmbito da sua aposta no desenvolvimento e dinamização da economia e turismo local. A região de Alenquer e Torres Vedras constituem duas das nove Denominações de Origem mais relevantes na região de Lisboa, com uma forte tradição na cultura da vinha e do vinho, nomeadamente o “Leve” que se pretende manter e defender, e que muito contribuiu para o desenvolvimento das regiões, e para a produção de inúmeros vinhos de elevada qualidade, reconhecidos nacional e internacionalmente, e capazes de igualar-se aos vinhos produzidos nas regiões vinícolas mais reconhecidos a nível mundial.

As tradições vitivinícolas, com uma ligação histórica ao mundo rural, têm valorizado e afirmado estes territórios como regiões vinhateiras de excelência. Os diversos recursos, dinâmicas, infraestruturas, equipamentos, e serviços dos concelhos de Alenquer e Torres Vedras foram tidos em conta na elaboração desta candidatura, tendo como principal objetivo um reforço da vertente institucional potenciando sinergias com os atores regionais e locais de ambos os municípios.

Esta candidatura visa reforçar o posicionamento destas regiões no mapa europeu e mundial, como duas das regiões vitivinícolas de qualidade reconhecida e um símbolo da cultura do vinho enquanto parte integrante da sua identidade coletiva, associado ao reconhecimento do nosso património histórico e vínico”.

São também outros objetivos desta candidatura: investigar, valorizar e divulgar as influências da vinha e do vinho na sociedade, paisagem, economia, gastronomia, património, entre outras áreas conexas; fomentar a partilha de conhecimentos e de experiências entre profissionais e publico, em geral, sobre o vinho e a gastronomia local, assim como o seu enquadramento com as demais zonas vitivinícolas do país; identificar, mobilizar e envolver de forma ativa os atores regionais e locais ao nível da sociedade civil, tecido empresarial e movimentos culturais; e reforçar e inovar no desenvolvimento dos produtos turísticos locais, criando novas propostas e produtos num investimento em parceria com atores locais.

Na próxima 2.ª feira, dia 14 de novembro, à noite, a AMPV decidirá a candidatura vencedora à iniciativa “Cidades do Vinho 2017”.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *