Óbidos, Turismo

Medos na Idade Média dão mote ao Mercado Medieval de Óbidos

cartazMM2016_web

Sob o escudo do medo viveis, ó gentes que per ora passais por terras deste reino; tus, os que temeis a guerra, molésteas e outras maldicências, per ora aqui estais, entre bobos e jograis que os males espantais. 

Ora esgardae, como se fosteis presentes, que outros tantos ausentes menos fortuna an tido e por tais padecimentos penaram, que este é tempo de espantar demónios.

 

Em Nome de Deus e Pela Sua Graça

Os temores medievos tomaram conta do Mercado Medieval de Óbidos, invadindo o espírito de uma sociedade para a qual o invisível está presente e detém tanto poder como o visível. Nestes tempos ninguém duvida: o outro mundo espera-os; esse outro mundo é o mundo onde vivem os mortos.

Eclesiásticos, guerreiros e camponeses são dominados pelas mesmas angústias, partilham o sentimento geral de impotência de dominar as forças da Natureza. Tudo o que parece desregramento da Natureza é considerado sinal anunciador das atribulações precedentes do fim dos tempos.

A cólera divina pende sobre o Mundo e pode manifestar-se a qualquer momento e o que estes podem fazer é garantir a Graça do Céu. Com a ameaça do Apocalipse pairando sobre si, vivem sob o jugo do Medo. O Medo da Violência causada pela guerra, do Medo da Miséria dos tempos parcos, no Medo da Doença que se espalha, com Medo do desconhecido que os invade, e Medo do Mundo das Trevas que se abate sobre si, procurando a cada ação espantar os Medos e apaziguar a cólera Divina, vivendo e lutando em nome de Deus.

Entre cores e panos, cheiros e sabores, cantorias e arruadas, orações e gritos de guerra, venha despertar os seus sentidos com faustosos manjares nas tabernas e singulares artefactos que garridas bancas ostentam, e deixe-se levar pelas vivências e costumes daquela época.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *