Celorico de Basto, Cultura

Castelo de Arnoia, em Celorico de Basto, reforça candidatura a Património Mundial da Humanidade da UNESCO

Castelo de Arnoia

O município de Celorico de Basto e a VALSOUSA – Associação de Municípios do Vale do Sousa aprovaram protocolo de cooperação para a candidatura a Património Mundial da Humanidade da UNESCO dos monumentos que integram a Rota do Românico. Uma candidatura integrada pelo Castelo de Arnoia, único Castelo da Rota do Românico.

“A aprovação deste protocolo advém do interesse comum de valorizar o património arquitectónico que nos identifica enquanto território. Em junho de 2015 manifestamos a vontade de arrancar com a candidatura do Castelo de Arnoia e Villa de Basto a Património da Unesco e em dezembro vimos a Rota do Românico a manifestar o mesmo interesse em todos os monumentos que integram a Rota. Tratando-se de interesses comuns, que visam a valorização, promoção, e dinamização de um mesmo território, da história e da memória, faz todo o sentido que nos juntemos num protocolo de cooperação para que, juntos possamos ter maior hipótese de consolidar e conseguir o tão ambicionado título” disse o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e silva.

Efetivamente, com este protocolo pretende-se que as partes envolvidas respeitem devidamente aquilo a que se comprometem articulando todos os esforços para promover o ordenamento do território da “Rota do Românico” através da valorização do património regional. Dinamizar o setor turístico cultural mais forte capaz de gerar riqueza. Contribuir para a mudança da imagem interna e externa da região através do valioso património Românico estruturado numa Rota. Qualificar os recursos humanos da região e promover a empregabilidade.

Vinculados os objectivos descritos entende-se reforçar o processo de candidatura a Património Mundial da Humanidade da UNESCO, que obriga a que o procedimento seja devidamente detalhado e inventariado, com qualidade e consistência da informação de forma a reforçar substancialmente o processo. Em todo este processo a participação da comunidade local é essencial, com vista a permitir que a comunidade compartilhe com a “Rota do Românico” parte da responsabilidade pela manutenção do bem patrimonial devendo ser fortemente incentivada. Todo este processo visa primeiramente a divulgação e proteção do extraordinário património cultural que ainda se encontra encerrado na Rota do Românico.

Este protocolo foi aprovado na reunião de Câmara de 6 de junho de 2015.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *