Póvoa de Lanhoso, Sociedade

“A Maria da Fonte na encruzilhada do local e do nacional” em debate a 18 de junho na Póvoa de Lanhoso

“A Maria da Fonte na encruzilhada do local e do nacional” é o momento que se segue no âmbito do ciclo de conferências sobre a “Maria da Fonte no seu e no nosso tempo”, que visa assinalar os 170 anos da revolução (1846-2016).

De lembrar que, com o intuito de assinalar a passagem dos 170 anos da Revolução da Maria da Fonte, foi preparado um ciclo de conferências pelo Centro Interpretativo Maria da Fonte (CIMF), envolvendo alguns dos principais ou mais relevantes parceiros do CIMF.

Este ciclo de conferências, para além de evocar historicamente a passagem do 170.º aniversário da Revolução da Maria da Fonte, também denominada Revolução do Minho, propõe-se, conjuntamente com os jornais “Maria da Fonte” e “Correio do Minho” (que assinalam, respetivamente, 130 e 90 anos de existência em 2016), fazer transpor para a contemporaneidade um conjunto de temáticas relevantes consideradas “Ao tempo da Maria da Fonte” e que no nosso tempo renovam a sua pertinência.

Volvidos 170 anos sobre a Revolução do Minho, com o afastamento do Administrador do Concelho, José Joaquim Ferreira de Mello e Andrade, e com a substituição por António Salvador da Cunha Rocha, as mulheres da Póvoa de Lanhoso, retornam às suas lides. Em junho de 1846 já a Revolução portuguesa ardia alto em todo o país, com demissões e nomeações, numa perfeita guerra civil, a Maria da Fonte continuava presente renovando fôlegos de vitória, dedicando-lhe o cancioneiro, a literatura ou a imprensa uma carga simbólica que não parou de crescer e se glorificar.

A 18 de junho próximo, no Centro Interpretativo Maria da Fonte – Póvoa de Lanhoso, pelas 18h00 e subordinada à temática “A Maria da Fonte na encruzilhada do local e do nacional”, Maria de Fátima Sá, Professora do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (Escola de Sociologia e Políticas Públicas), uma das maiores especialistas com obra publicada sobre esta temática do Liberalismo em Portugal, apresentará em sessão pública as suas leituras a propósito do que apelida de encruzilhada.

A sessão será moderada por José Viriato Capela, Professor Catedrático do Departamento de História da Universidade do Minho.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *