Palmela, Sociedade

Palmela debateu Segurança e Gestão da Emergência nos Centros Históricos

No âmbito das Comemorações do Dia Municipal do Bombeiro, a Câmara Municipal de Palmela e as Associações Humanitárias dos Bombeiros do Concelho promoveram, no dia 13 de maio, o Seminário “Centros Históricos: Segurança, Resiliência e Sustentabilidade”, que decorreu no Auditório do Espaço Cidadão, em Palmela.

Na sessão de abertura, que contou com as presenças do Presidente da Junta de Freguesia de Palmela, Fernando Baião e de Patrícia Gaspar, Comandante Operacional do Centro Distrital de Operações de Socorro de Setúbal, em representação da Autoridade Nacional de Proteção Civil, o Presidente da Câmara de Palmela, Álvaro Balseiro Amaro, recordou a importância de «levar à comunidade o espírito e cultura de prevenção e segurança, com a promoção de espaços para a reflexão em torno de matérias que vamos elegendo». O Presidente da Câmara sublinhou, ainda, a necessidade de «considerar as pessoas que habitam estes espaços, integrá-las e promover a sua participação» na criação de instrumentos base para a gestão da emergência nos Centros Históricos.

No primeiro painel, moderado pela Dra. Paula Almeida, do CDOS de Setúbal, a Arq. Manuela Tomé, da Câmara Municipal de Setúbal, falou sobre o Plano de Emergência do Centro Histórico de Setúbal e o Dr. Joaquim Piteira, do CDOS de Évora, abordou o planeamento de emergência para o Centro Histórico de Évora. O segundo painel, moderado pela Dra. Teresa Machado, do Gabinete de Recuperação do Centro Histórico de Palmela, contou com o contributo do Arq. António Janeiro, da Câmara Municipal de Almada, com a comunicação sobre Reabilitação Urbana do Edificado.

O Centro Histórico da vila de Palmela possui caraterísticas muito próprias, com um conjunto de edifícios de arquitetura vernácula, que lhe conferem uma posição relevante, nos campos do património e da cultura. Uma política de salvaguarda e recuperação do edificado e de prevenção face aos diversos riscos contribui, de forma significativa, para a segurança das populações e para a proteção deste património.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *