Cultura, Porto

Caryl Churchill é a dramaturga em destaque nas Leituras no Mosteiro

Leituras no Mosteiro_Caryl Churchill

De abril a junho, o Centro de Documentação do Teatro Nacional São João, instalado no Mosteiro de São Bento da Vitória (MSBV), no Porto, abre as portas a mais uma edição das Leituras no Mosteiro, dedicada, este trimestre, a Caryl Churchill, cuja obra foi recentemente abordada pelo Teatro Aberto com Amor e Informação – espetáculo premiado pela Sociedade Portuguesa de Autores, que esteve em cena, em 2015, no TNSJ. Em destaque, na sessão inaugural de 19 de abril, que tem início às 21h00, está Uma Boca Cheia de Pássaros (1986), peça da dramaturga britânica que coloca em transe sete personagens, possuídas por um espírito ou por uma paixão, que, para viverem o “dia sem defesas”, interrompem as suas vidas habituais.  A convidada especial é Ana Vaz, que assinou a cenografia de uma produção da Escola de Mulheres, encenada por Fernanda Lapa e Francisco Camacho, em 1998.

Inspirada na tragédia grega As Bacantes, da autoria de Eurípides, a obra parte da natureza masculina e feminina para abordar temas como a possessão, a violência e o êxtase. Como refere Churchill na nota introdutória à edição original da peça, em 1986, um dos seus propósitos iniciais era o de contrariar a visão tradicional das mulheres como mais pacíficas e dos homens como naturalmente mais violentos.

Depois de Uma Boca Cheia de Pássaros, as Leituras no Mosteiro abordam a peça Top Girls (1982), a 17 de maio, que coloca sob escrutínio o papel da mulher da sociedade, particularmente a possibilidade de conciliar uma carreira profissional bem-sucedida com uma vida familiar próspera. Por fim, a última terceira terça-feira deste trimestre, 21 de junho, está reservada a Sétimo Céu(1979), que se serve da comédia para tecer uma dura crítica ao colonialismo e à opressão sexual.

Nascida em Londres, em 1938, Caryl Churchill, que já recebeu o título de a mais “gloriosamente original e absurdamente dotada” dos dramaturgos britânicos, sempre experimentou novos voos, reinventando-se e reinventando o teatro britânico, através da exploração de diferentes géneros, estilos e possibilidades dramáticas. Uma Boca Cheia de Pássaros é um destes exemplos, carregando, desde a sua estreia, em 1986, o quase estigma de peça “difícil” e “arriscada”. As Leituras no Mosteiro têm coordenação de Nuno M. Cardoso e Paula Braga e são de entrada gratuita.

O Centro de Documentação do TNSJ foi fundado no ano 2000. O espaço integra um Arquivo, um núcleo essencial para os investigadores dos campos cénicos e para a preservação de documentos como registos vídeos de espetáculos, textos de teatro, dossiês fotográficos ou materiais promocionais das peças do TNSJ. Localizado no Mosteiro de São Bento da Vitória, contempla ainda uma Biblioteca considerada a melhor em Portugal no que toca às artes performativas. Disponibiliza gratuitamente a consulta de cinco mil livros, além de compilar vídeos, filmes e documentários sobre teatro e dança, óperas dirigidas por encenadores relevante, e ficheiros de teatro radiofónico. O Centro de Documentação está aberto ao público de segunda a sexta-feira, entre as 14h30 e as 18h00.

O Teatro Nacional São João (TNSJ) é, desde 2007, uma Entidade Pública Empresarial, assumindo ainda a responsabilidade da gestão de mais dois espaços culturais da cidade do Porto: Teatro Carlos Alberto e Mosteiro São Bento da Vitória. Em 2015, o TNSJ fechou o ano com mais de 105 mil espectadores, considerando as digressões nacionais e internacionais, e integrou na sua programação global mais de 60 espetáculos. O TNSJ é o único membro português na União dos Teatros da Europa (UTE), organização que congrega alguns dos mais importantes teatros públicos do espaço europeu, integrando o Conselho de Administração da entidade.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *