Castro Marim, Saúde

2º Ano de Unidade Móvel de Saúde com consultas médicas de proximidade em Castro Marim

UMS (2)A Unidade Móvel de Saúde (UMS) de Castro Marim percorre há dois anos o concelho de Castro Marim com oferta de consultas médicas de proximidade. Primeira UMS no país permanentemente com médico, consolidou a iniciativa nascida há 20 anos no município de Alcoutim e seguida noutros concelhos, por se revelar a melhor forma de prestar cuidados à população que vive mais isolada e vulnerável.

Com uma área geográfica de 300,84km2 e divido em quatro freguesias – Azinhal, Odeleite, Castro Marim e Altura -, o concelho de Castro Marim regista um índice de envelhecimento de 220,4 %, sendo o do Algarve de 127,8%. De salientar, no entanto, os índices das freguesias mais interiores, a do Azinhal de 686,7% e a de Odeleite com 980,8% (Anuário Estatístico da Região do Algarve 2012 – Instituto Nacional de Estatística). É por isso sobre estas freguesias que recai a maior atenção e cuidado, “com populações extremamente envelhecidas, com isolamento habitacional, em locais de difícil acesso e com enorme carência de Cuidados de Saúde pela alta prevalência de doenças crónicas causadoras de elevada mortalidade e morbilidade se não forem alvo de rigoroso controlo e assistência”, declarou a coordenadora do projeto, Dr.ª Helena Gonçalves, à qual se juntam as médicas Dr.ª Susana Valsassina e Dr.ª Isa Frazoa, a enfermeira Angelina Rocha e o motorista Carlos Horta.

Dois anos depois e o balanço é muito positivo, tendo inclusive sido registado um aumento do número de consultas em relação ao primeiro ano, de 1242 para 2395, e de utentes registados, de 519 para 629. Destes 629 utentes, 534 têm uma idade superior a 65 anos. Segundo a equipa da UMS de Castro Marim, durante este ano a principal patologia crónica sinalizada foi a hipertensão arterial, 399 casos, seguindo-se-lhe dislipidémia, 276 utentes, e a osteoartrose, com 224 diagnósticos. A registar ainda a identificação de 194 utentes com deterioração cognitiva ligeira.

“Com a atuação persistente e de proximidade dos profissionais de saúde, em que se geram elos afetivos que promovem a confiança e adesão dos doentes ao planos de atuação negociados para o controlo da sua doença crónica, conseguimos retardar a progressão do problema e evitar a cascata de internamentos hospitalares com altíssimos custos para o país e elevados prejuízos para o doente e família”, garantiu a médica Helena Gonçalves.

A UMS de Castro Marim é fruto de uma colaboração entre a Administração Regional de Saúde do Algarve (ARS Algarve), Câmara Municipal de Castro Marim e Associação Social da Freguesia de Odeleite (ASFO).

Sobre a iniciativa, o médico e agora autarca da Câmara Municipal de Castro Marim, mentor da primeira UMS do país quando era ainda presidente do município vizinho, Alcoutim, declara que “os bons resultados atestam a excelência da UMS, que mais do que um serviço é um ato de justiça para esta população envelhecida”.

Em 2015, a UMS de Castro Marim representou um investimento autárquico inicial de cerca de 40.000 euros.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *