Cultura, Mora, Sociedade

Mora abre este ano Museu Interactivo do Megalitismo

CVDB_CentroMegalitismoMora-02O Museu Interactivo do Megalitismo, equipamento cuja construção está “praticamente concluída” e que deve abrir ao público “em Abril ou Maio”, é uma das principais apostas para este ano da Câmara de Mora, no distrito de Évora.

A construção do núcleo museológico integra o projecto de recuperação da estação ferroviária de Mora, envolvendo um investimento de 2,5 milhões de euros, comparticipado em 85% por fundos comunitários, explicou à agência Lusa o presidente do município, Luís Simão.

Segundo o autarca, a empreitada do equipamento, num edifício construído de raiz contíguo à estação ferroviária, está “praticamente concluída”, pelo que deve abrir “em Abril ou Maio”.

“Perspectivamos que seja complementar ao Fluviário”, espaço na freguesia de Cabeção que retrata o mundo dos lagos e dos rios e que atrai ao concelho, por ano, “cerca de 50 mil visitantes”, frisou.

Visitas turísticas efectuadas por pessoas que “não ficam mais do que um dia” no concelho, apurou a câmara, através de inquéritos, pelo que ambiciona, com o novo museu, prolongar essas estadas.

“Mais de metade dessas pessoas que vêm ao Fluviário fica pouco tempo. Queremos que permaneçam cá mais dias e isso só é possível se tivermos mais coisas interessantes para poderem ver”, explicou Luís Simão.

O novo museu vai ao encontro dessa estratégia, com o objectivo de aproveitar e potenciar a riqueza arqueológica ligada à arte megalítica existente no concelho.

“As investigações arqueológicas em Mora começaram há mais de 100 anos. Foram encontrados milhares de peças e de monumentos e, durante muito tempo, as pesquisas decorreram na freguesia de Pavia, mas, hoje, sabemos que existem vestígios em todas as freguesias”, salientou.

O Museu do Megalitismo vai expor peças megalíticas recolhidas no concelho, mas o seu foco principal vai ser promover a interactividade com os visitantes.

“A mais-valia do museu é a interactividade que o visitante vai poder experimentar, enquanto percorre o espaço”, disse o autarca, argumentando tratar-se de “um projecto inovador na área da museologia em Portugal”.

Um filme em três dimensões com a apresentação do museu, em que “as pessoas se vão sentir envolvidas e vão compreender melhor o que vão visitar”, vitrinas interactivas e a projecção de hologramas, que vão fazer aparecer “homens do tempo do megalitismo”, são “surpresas” preparadas, desvelou Luís Simão.

O orçamento da Câmara de Mora para este ano é de 10,4 milhões de euros (em 2015 foi 11,5) e aposta também na área da regeneração urbana, com os projectos do Centro Cultural de Cabeção e do Parque Urbano e do Miradouro da sede de concelho.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *