Reguengos de Monsaraz, Sociedade

Vinhas e olivais de Reguengos de Monsaraz aguardam chegada com celeridade do regadio de Alqueva

Oliveiras milenares (1)Os olivais e as vinhas que originam os famosos vinhos produzidos no concelho de Reguengos de Monsaraz vão poder ser regadas pela água da Barragem de Alqueva. A EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva vai apresentar a solução base do Circuito Hidráulico de Reguengos de Monsaraz e respetivo Bloco de Rega na terça-feira, dia 27 de outubro, a partir das 10h30, no Auditório Municipal de Reguengos de Monsaraz.

A área em estudo tem cerca de 10 mil hectares de bons solos agrícolas que poderão ter como origem de água o Sistema Primário de Alqueva. O estudo vai estar em consulta pública na CARMIM – Cooperativa Agrícola de Reguengos de Monsaraz, no dia 27 de outubro, das 14h30 às 18h, e no dia seguinte na Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, entre as 9h30 e as 13h e das 14h30 às 18h.

Na abertura da sessão, José Calixto, Presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, fará um enquadramento da importância do regadio de Alqueva para o desenvolvimento económico do concelho, seguindo-se José Salema, Presidente da EDIA, que vai falar sobre “A EDIA e a promoção do regadio”. A fechar a primeira parte, Alexandra Carvalho, Diretora da EDIA, vai fazer a “Apresentação geral do estudo e princípios do projeto”.

A sessão terá ainda intervenções da projetista Vitória d’Orey, da Atlas Koechlin, que vai explicar a “Caracterização da rede de rega dos blocos de Reguengos”, e de Francisco Ferro, Vice-presidente da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Alentejo Central, sobre “Soluções de financiamento do regadio”. A fechar, os temas abordados na sessão poderão ser debatidos com os participantes.

Esta sessão de apresentação e caracterização da solução base do Circuito Hidráulico de Reguengos de Monsaraz e respetivo Bloco de Rega é organizada pela EDIA com os apoios do Município de Reguengos de Monsaraz e da CARMIM, e o patrocínio da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Alentejo Central.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *