Póvoa de Lanhoso, Sociedade

Centro Interpretativo Maria da Fonte abre portas em Setembro na Póvoa de Lanhoso

IMG_4504Concluídas que estão as obras de requalificação dos dois edifícios que vão albergar este equipamento cultural, as próximas semanas serão para terminar todo o processo de instalação dos equipamentos tecnológicos e mobiliário. O presidente da autarquia Manuel Baptista, em visita ao CIMF, referiu que “este novo espaço cultural está quase pronto e a cumprir os prazos e orçamento definidos. A Póvoa de Lanhoso fará, finalmente, justiça à sua grande heroína, dedicando-lhe um dos seus principais equipamentos públicos. Estou muito satisfeito com o resultado da obra, pois empenhei-me bastante neste projeto. No Dia do Concelho vamos abrir ao público este Centro Interpretativo”.

A criação do Centro Interpretativo Maria da Fonte permitirá concentrar publicações, estudos e documentos que caracterizam o Liberalismo Português, com recurso a soluções digitais, assumindo um importante núcleo de estudos em Portugal neste campo. A par da formação de um centro de estudos e documental, o Centro Interpretativo deverá assumir outras valências subordinadas ao mesmo tema, nomeadamente de exposições temáticas, permanente, temporárias e itinerantes; de serviços educativos transversais aos diversos níveis de escolaridade e etários; de investigação; de artes plásticas, representação e música; de conferências e publicações de divulgação e sensibilização.

A Póvoa de Lanhoso está associada, tanto a nível histórico como bibliográfico, à “Terra da Maria da Fonte” pelo que o município pretende consolidar uma imagem irreversível desse ícone da história de Portugal que importa salvaguardar, assumir e rentabilizar cultural e turisticamente.

O projeto de reconstrução e adaptação dos edifícios contíguos ao Theatro Club para Centro Interpretativo Maria da Fonte é composto por quatro espaços funcionais distintos: documental; expositivo/divulgação/visitação; serviços administrativos e serviços de apoio a expressões dramáticas, musicais, de entre outras.

Tratando-se de dois edifícios independentes, que não estão fisicamente em contacto e se encontram inseridos em Zona Especial de Proteção do Theatro Club e incluídos no Conjunto de Interesse Municipal – Largo António Lopes, a distribuição das zonas principais foi pensada de forma a garantir uma boa funcionalidade de todo o espaço de Centro Interpretativo, sendo que incluem diferentes espaços e funções organizados em área documental (com espaços de arquivo, espaço para museologia, exposição, consulta/estudo e Digitalização/Microfilmagem); área expositiva/divulgação/visitação (com espaços adequados para exposições permanentes, exposições temporárias, reuniões/conferências e serviços educativos de apoio a escolas e outras instituições); área administrativa (com gabinetes de trabalho e sala de reuniões); e uma área de apoio a expressões dramáticas, musicais e outras (com sala de ensaios e salas de estudos instrumentais).

Este é um projeto promovido pela Câmara Municipal e cofinanciado pelo ON.2 – O Novo Norte e QREN através do Fundo Europeu do Desenvolvimento Regional, que conta com um investimento elegível de 1.642.162,23€, sendo que a comparticipação comunitária é de 1.395.837,90€, correspondente a uma taxa de 85%.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *