Cultura, Póvoa de Lanhoso

Peça “1514 – Comédia Quinhentista” distinguida com o Prémio Maria da Fonte no Concurso Nacional de Teatro da Póvoa de Lanhoso

Foto com todos os vencedores 1A peça “1514 – Comédia Quinhentista” recebeu o Prémio Maria da Fonte atribuído pelo público no âmbito do XI Concurso Nacional de Teatro da Póvoa de Lanhoso. Apresentada pela Associação de Funcionários da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso esta produção tem a particularidade de ter como atores funcionários da autarquia e jovens Povoenses.

A distinção foi conhecida durante a sessão de encerramento que se realizou no passado sábado, dia 14 de março, no Theatro Club, palco onde nove companhias de todo o país subiram a concurso. A mesma peça, encenada pela diretora artística daquela que é a principal casa de espetáculos da Póvoa de Lanhoso, Maíra Ribeiro, foi nomeada para a melhor interpretação principal masculina, através de Luís Esteves (Pêro, o Cozinheiro), mas o prémio foi para Bernardino Samina do Theatron – Associação Cultural pela atuação em “O Coração de um Pugilista”.

O prémio de melhor interpretação principal feminina foi atribuído a Isabel Ganilho do Grupo de Animação e Teatro – Espelho Mágico pela atuação em “As Aventuras de Rom Rom e Fofoca”.

A peça “Óculos de Sol”, pelo Grupo Dramático e Recreativo da Retorta, arrecadou sete distinções: prémio Ruy de Carvalho para melhor Espetáculo, Melhor Encenação, Prémio “Orlando Worm” – Melhor Desenho de Luz “, Melhor Ambiente Sonoro, Melhor Guarda-Roupa, Melhor Interpretação Feminina Secundária e Menção Honrosa Melhor Interpretação Principal Feminina.

O prémio Prestígio/Personalidade – Fundação INATEL foi este ano para Leandro Vale, ator, encenador, radialista, escritor e jornalista.

“Maria a Rainha” pelo Grupo de Teatro Amador de Cristelo recebeu o Prémio de Melhor Cenografia; Andreia Rocha em “Mortos de Fome” pelo Grupo Mérito Dramático Avintense recebeu uma Menção Honrosa pela Interpretação Secundária Feminina; e Paulo Quedas em “O Coração de um Pugilista” pelo Theatron – Associação Cultural recebeu o prémio de melhor interpretação secundária masculina.

A sessão de encerramento ainda englobou uma homenagem ao artesão de filigrana recentemente falecido, César Silva, e que foi responsável pela elaboração dos trofeus entregues este ano. Contou ainda com a atuação de um grupo de dança de Covelas.

Reflexo da política cultural da autarquia.

Na sua intervenção, a Vice-Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Gabriela Fonseca, saudou e deu os parabéns a todas as companhias de teatro que participaram no Concurso, em especial a Associação dos Funcionários da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso “por terem conseguido apresentar uma peça com a qualidade exigida para vir a este Concurso. Para eles o nosso muito muito obrigado”.

Lembrando que o CONTE “é um concurso de referência nacional apadrinhado por Ruy de Carvalho, um ator que a todos nos orgulha”, referiu que “o Theatro Club vai continuar a acolher as produções teatrais das muitas companhias que, pelo país, continuam a valorizar o teatro e a produção cultural”. E afirmou ainda que “a Póvoa de Lanhoso tem um percurso cultural que muito nos orgulha que engloba o nosso património, as nossas tradições, no fundo, a nossa identidade. É na valorização deste legado que queremos continuar a trabalhar”. Lembrou ainda que “a aposta cultural é essencialmente dirigida aos residentes no concelho da Póvoa de Lanhoso, para a formação dos povoenses, valorizando o que de bom temos no nosso concelho”. Gabriela Fonseca terminou, felicitando os vencedores dos vários prémios a concurso e agradeceu, em nome da autarquia, a colaboração e o apoio da Federação e do INATEL, na organização de mais um concurso.

A abrir a sessão, interveio o Vereador para a Cultura, Armando Fernandes. “Sinto que, de ano para ano, o nível deste concurso tem vindo a aumentar de uma forma consolidada”, salientou, destacando o grupo da Póvoa de Lanhoso, com atores que são trabalhadores da autarquia. “Isto é para mim motivo de grande orgulho, porque é o resultado da política cultural de proximidade que temos adotado nos últimos anos”.

Este responsável abordou ainda o investimento nos jovens povoenses e nas associações, “no proporcionar de condições para que as artes passem a ocupar um lugar de relevo na vida de todos nós. Um bom exemplo desta estratégia cultural são os serviços educativos que temos em curso. Procuramos levar cultura às escolas através de leituras encenadas. Mas também procuramos divulgar o nosso património cultural junto da comunidade escolar proporcionando visitas guiadas ao nosso património edificado. Além disso temos a decorrer oficinas de teatro, oficinas de bombos, oficinas da memória”, afirmou. “É nesta teia cultural que pretendemos envolver todos os agentes culturais do nosso concelho, associações, grupos folclóricos, bandas de música, são o suporte desta rede que se pretende cada vez mais forte”.

Armando Fernandes aludiu ainda aos 150 anos do nascimento de Gonçalo Sampaio, botânico e um grande defensor e estudioso do folclore português e à exposição de trajes minhotos, patente na galeria do Theatro. “Esta é uma forma singela de rendermos homenagem a este nosso conterrâneo”, afirmou, abordando ainda as obras em curso nos edifícios contíguos ao Theatro Club, onde irá nascer o Centro Interpretativo Maria da Fonte.

 

Houve ainda oportunidade para intervenções do diretor cultural da Fundação INATEL, Rui Sérgio. “Venham sempre, não desistam do teatro. Nós aprendemos a ver, aprendemos a aplaudir e incentivamos quem começa a fazer teatro. Um país que tem teatro, independentemente das dificuldades, é um país vivo”, referiu, de entre outras considerações, dirigindo-se aos grupos de teatro existentes por todo o país. O Presidente da Federação Portuguesa de Teatro, Luís Mendes, também interveio. “Chegados ao fim da XI edição do Concurso Nacional de Teatro, é possível afirmar a necessidade de uma iniciativa como esta para a dignificação, divulgação e consagração do teatro de amadores a nível nacional”, considerou, de entre outros aspetos. “Aqui, no Municipio da Póvoa de Lanhoso, nesta bonita sala de espetáculos, dignifica-se o teatro de todas as formas e géneros. A presente edição prova o elevado nível a que o teatro de amadores e as associações que fazem dele a sua atividade principal chegaram”, afirmou também.

 

Lista de vencedores do CONTE 2015

Prémio Maria da Fonte

“1514 – Comédia Quinhentista”

Associação de Funcionários da Câmara Municipal de Póvoa de Lanhoso

Prémio “Orlando Worm” Melhor Desenho de Luz “

“Óculos de Sol” (João Pereira)

Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

 

Prémio Melhor Ambiente Sonoro

“Óculos de Sol” (Flávio Oliveira)

Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

 

Prémio Melhor Cenografia

“Maria a Rainha” (Tiago Lourenço e Moisés Carvalho)

Grupo de Teatro Amador de Cristelo

 

Prémio Melhor Guarda-Roupa

“Óculos de Sol” (Paula Nogueira)

Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

 

Melhor Interpretação Feminina Secundária

Ana Sousa (“Óculos de Sol”)

Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

 

Menção Honrosa Interpretação Secundária Feminina

Andreia Rocha (“Mortos de Fome”)

Grupo Mérito Dramático Avintense

 

Interpretação secundária masculina

Paulo Quedas (“O Coração de um Pugilista”)

Theatron – Associação Cultural

 

Interpretação principal feminina

Isabel Ganilho (“As Aventuras de Rom Rom e Fofoca”)

Grupo de Animação e Teatro – Espelho Mágico

 

Menção Honrosa Melhor Interpretação Principal Feminina

Núria Melo (“Óculos de Sol”)

Grupo Dramático e Recreativo de Retorta

 

Interpretação principal masculina

Bernardino Samina (“O Coração de um Pugilista”)

Theatron – Associação Cultural

 

Prémio de Melhor Encenação

“Óculos de Sol” (Laura Ferreira)

Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

 

Prémio Ruy de Carvalho – Melhor Espetáculo

“Óculos de Sol”

Grupo Dramático e Recreativo da Retorta

Prémio Prestígio Personalidade – Fundação INATEL Leandro Vale

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *