Cultura, Lamego

Casa dos Bordalos recorda “viagem” da electricidade em Lamego

Exposicao_EDP_LAMEGO2014Do antigo candeeiro a azeite ao sofisticado e inovador LED, a eletricidade domina o nosso quotidiano que não pára de se renovar: permite a comunicação à distância, ilumina, alimenta as fábricas, converteu-se num bem de primeira necessidade. A Casa dos Bordalos, situada no “coração” do bairro do Castelo de Lamego, junto à Porta dos Figos, abriu pela primeira vez as portas para receber a mostra “A eletricidade em Lamego: a luz do progresso”, na qual é narrada a história desta fonte de energia através de uma viagem no tempo, entre o passado e o futuro.

Dividida em cinco núcleos, é recordada a iluminação monumental da cidade ao longo de várias décadas. O visitante pode, por exemplo, apreciar pormenores das lâmpadas que passam muitas vezes despercebidos, a originalidade dos primeiros aparelhos elétricos e ainda prever a evolução rumo a um futuro direcionado para as redes inteligentes.

Presente na cerimónia de abertura, Francisco Lopes, Presidente da Câmara Municipal, enfatizou que ambiciona que a Casa dos Bordalos “seja um local de visita obrigatório para todos aqueles que pretendam descobrir o passado, presente e futuro da eletricidade do nosso concelho”. “Abrir esta magnífica casa pela primeira vez e com esta exposição é a forma de mantermos uma relação entre o que é a tradição e a inovação e de ajudar a agitar as nossas mentes e desenvolver Lamego”, salientou o autarca.

Ao seu lado, João Torres, presidente do Conselho de Administração da EDP Distribuição, explicou os critérios que presidiram à seleção da cidade de Lamego como local de acolhimento desta iniciativa: “Escolhemos autarquias que nos acompanham nesta transformação, disponíveis para esta inovação. Lamego é sem dúvida o parceiro ideal”.

Resultado de um projeto promovido pela EDP Distribuição, em colaboração com a Fundação EDP/Museu da Eletricidade e a Câmara Municipal de Lamego, a exposição “A eletricidade em Lamego: a luz do progresso” tem entrada gratuita e está patente ao público até 31 de dezembro. De segunda a sexta-feira encontra-se aberta das 9 às 17 horas e aos fins de semana entre as 10 e as 18 horas, sempre com interrupção na hora de almoço.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *