Sociedade, Vila Real de Santo António

Autarquia de VRSA inicia colaboraçã​o com IPMA na recolha de amostras para análise de bivalves

Mariscadores VRSAA Câmara Municipal de Vila Real de Santo António e a Associação de Mariscadores de Arrasto de Cintura da Baía de Monte Gordo vão passar a colaborar no processo de recolha de amostras de bivalves para análise, de forma a garantir a fiabilidade dos resultados que, há várias semanas, têm interditado a captura de bivalves no concelho.

 

A decisão foi tomada na sequência da reunião de urgência solicitada pela Câmara Municipal de VRSA ao Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), tendo em consideração o facto de a autarquia considerar «estranhos» os resultados das análises efetuadas pelo laboratório daquele organismo, cujos resultados determinam, há mais de dois meses, a interdição da captura de bivalves.

 

«Pelo que nos foi exposto em reunião, chegámos à conclusão de que as amostras referentes à zona de Monte Gordo (L9) estariam a ser recolhidas noutra zona (L8), o que compromete de forma inequívoca a validade dos resultados e coloca em causa o sustento de centenas de famílias que dependem única e exclusivamente da atividade da mariscagem», afirma Luís Gomes, presidente da Câmara Municipal de VRSA.

 

Este facto pode, aliás, explicar a razão pela qual as análises do IPMA apresentam valores de toxinas positivos, enquanto as análises efetuadas pela Câmara Municipal de VRSA, em laboratório certificado, mostram resultados muito inferiores que tornariam as zonas aptas para a captura de bivalves.

 

«Cremos que, depois desta reunião, estão garantidas as condições para repor a verdade e retomar a normal atividade dos mariscadores», prossegue Luís Gomes.

 

Na reunião realizada com o IPMA, autarquia pediu igualmente explicações sobre as razões que estão a determinar a ausência de dados públicos atualizados sobre os valores das colheitas efetuadas (a última análise efetuada em Monte Gordo e publicada no site do IPMA data de 2 junho de 2014) ou sobre os valores de toxinas.

 

Por outro lado, a autarquia comprometeu-se também a enviar periodicamente amostras e dados necessários para a realização de análises por parte do IPMA, bem como a colaborar no processo de recolha, acondicionamento e envio dos dados para atestar a qualidade das águas costeiras locais.

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *