Cultura, Évora

Novo programa de animação do património cultural marca o Verão em Évora

cenas_ao_sul792Em Évora arranca esta sexta-feira (dia 11) o Cenas ao Sul – encontros com luz, formas, sons e afetos, que consiste num programa de animação do Património Cultural, que vai oferecer mais de 100 encontros artísticos de entrada livre à população, maioritariamente no centro histórico de Évora, durante os 65 dias em que decorre esta iniciativa de Verão.

Esta ação resulta duma parceria entre a Câmara Municipal de Évora, a Associ’Arte e a Entidade Regional de Turismo, cujo protocolo de colaboração é assinado dia 11 de Julho, pelas 16h, no Salão Nobre dos Paços do Concelho. A programação é composta por 4 ciclos (luz, sons, formas e afetos) e foi idealizada em conjunto com 25 associações culturais de Évora, sendo o financiamento assegurado pelo INALENTEJO e pela ERT Alentejo, numa articulação promovida pela autarquia eborense.

Os objetivos centrais deste programa passam, em primeiro lugar, por colocar os agentes culturais locais a fazerem coisas para a cidade; em segundo lugar, pelo relançamento da cultura em Évora, tornando-a pública e trazendo gente para poder usufruir dela.

O Cenas ao Sul constitui-se como o primeiro momento de um projeto cultural mais amplo e ambicioso denominado como “Évora Imaterial, Território de Encontros”, que se encontra em fase de candidatura ao Programa Europa Criativa 2014-2019. Esta candidatura surge em sequência de um acordo já assinado com os agentes locais, tendo em vista a dinamização e animação cultural do centro histórico, com possibilidade de extensão às freguesias rurais.

 

Encontros com luz, formas, sons e afetos

Música, teatro, dança, performance, exposições, debates, workshops e artes de rua, são as manifestações artísticas em destaque ao longo dos dois meses de uma iniciativa construída e participada por diferentes agentes locais e regionais, que pretende tornar mais reconhecida e vivenciada a relação íntima e criadora entre o património construído e classificado no Centro Histórico de Évora e o valioso património manifesto nas múltiplas expressões artísticas geradas no mesmo território.

O Cenas ao Sul é composto por 4 ciclos programáticos que se cruzam e interligam através de variadas formas de manifestação cultural e artística: o ciclo da luz, que nos remete para a fotografia, para o cinema, para as imagens geradas pelas artes das lentes; o ciclo do Som, que se propaga e nos impressiona, às vezes é fala, às vezes é música, outras, ainda são jogos de silêncio e encantamento; o ciclo das formas, a forma é plástica, é busca, descoberta, transformação, e revela-se-nos no teatro, na dança, na performance; e o ciclo dos afetos, que se geram nos encontros de proximidade entre criadores e públicos, podendo ser artes de rua, poesia, sendo geradores de laços e de emoções.

A abertura oficial do programa das atividades está agendada para sexta-feira (dia 11), pelas 21h30, na Praça do Sertório, e integra a inauguração da exposição/instalação escultórica “Espaço de Pensamentos”, do espanhol Ricardo Calero. Esta mostra, inspirada nas chaminés alentejanas e que se converte ela própria num espaço de reflexão, está também inserida na Trienal no Alentejo, iniciativa que ao longo de 3 meses pretende potenciar o Alentejo através da produção e instalação de trabalhos de artistas contemporâneos de renome internacional, promovendo os fatores únicos da região. A inauguração da exposição será seguida de uma mesa-redonda dedicada ao tema “Arte no Espaço Público” onde, para além do artista Ricardo Calero, participarão o Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Évora, Eduardo Luciano, Amilcar Vasques Dias (compositor) e Rosário Gonzaga (atriz), estando a moderação a cargo de Nuno Figueiredo (Trienal no Alentejo).

Toda a programação do “Cenas ao Sul” estará disponível em permanência através das seguintes ligações: www.cm-evora.pt e www.cenasaosul.pt

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo

1 comentário

  1. A inauguração da exposição/instalação escultórica “Espaço de Pensamentos”, de Ricardo Calero está integrada no ciclo/programação da Trienal no Alentejo 2014, decorrente da residência feita pelo artista no Alentejo em Março de 2013, visitando vários e adegas, como a Malhadinha, local central da inspiração. Todo o trabalho desenvolvido com o suporte do cofinanciamento do INALENTEJO, e com o suporte imprescindível da LISNAVE, e ainda com o apoio da Embaixada de Espanha. Acolhe esta peça o Município de Évora, que a integra no seu programa de atividades.
    Filomena Marques (TnA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *