Lamego, Sociedade

Obras de valorização da Sé de Lamego arrancam este mês

ISecretario_Estado_CulturaIILAMEGO2014ntegradas no projeto nacional “Rota das Catedrais”, as obras de requalificação da Sé de Lamego vão avançar já durante o mês de julho, num investimento global que ascende a 440 mil euros. O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, deslocou-se ao Museu Diocesano de Lamego para presidir à sessão pública de apresentação desta intervenção que contou com a presença de Francisco Lopes, Presidente da Câmara Municipal, e de António Ponte, diretor Regional de Cultura do Norte.

Construída a partir da segunda metade do século XII, a Sé de Lamego é uma das catedrais mais antigas e emblemáticas do panorama historiográfico e artístico português. A primeira fase dos trabalhos vai incidir na zona dos claustros, onde se situa o salão capitular e o secretariado da paróquia. Neste local, vai nascer um centro interpretativo da catedral e uma sala de acolhimento aos visitantes. Numa segunda fase, que deverá estar concluída até junho de 2015, a prioridade será o restauro das capelas de S. Nicolau, neste momento muito degradada, e de Sto. António.

A Direção Regional de Cultura do Norte pretende levar a cabo uma intervenção estruturada, de forma a preservar e salvaguardar o valioso património arquitetónico ali existente, fruto dos seus oito séculos de história.

Acompanhado por Francisco Lopes, o secretário de Estado da Cultura aproveitou a deslocação à cidade de Lamego para conhecer em pormenor as intervenções já concretizadas no bairro do Castelo no âmbito do projeto de regeneração urbana Viver Lamego que a Câmara Municipal está a desenvolver, desde 2008, com vista a aumentar a sua atratividade turística.

Jorge Barreto Xavier mostrou-se agradado com a nova dinâmica cultural e social que a autarquia conseguiu imprimir no bairro mais antigo da cidade, nomeadamente com a abertura ao público da antiga Cisterna como centro de exposições e do Castelo que tem agora a missão de valorizar os achados arqueológicos descobertos recentemente e que ilustram a ocupação pré-romana do bairro.

Depois da valorização do espaço público, através da requalificação de todas as ruas e travessas, estão em fase final de execução outras intervenções que vão potenciar a componente turística e comercial daquele bairro e alavancar o fator de modernidade no âmbito do Viver Lamego, nomeadamente a constituição do Centro Interpretativo da História da Cidade, composto por três polos: a Casa dos Bordalos, o Centro de Artesanato, das Artes e dos Ofícios Tradicionais, que integrará a Rede de Judiarias, e o Castelo.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *