Sociedade, Vila Real de Santo António

VRSA recebe evento mundial Ibero-amer​icano José Martí

Programa geral_IX Reunião do Conselho Mundial José Martí para a Solidariedade Internacional_VRSA_lr-page-002Entre os dias 3 e 5 de junho, Vila Real de Santo António recebe a IX Reunião do Conselho Mundial do Projeto José Martí para a Solidariedade Internacional, evento que, pela primeira vez, terá lugar na Europa, e do qual o Presidente da Câmara Municipal de VRSA, Luís Gomes, faz parte.

 

Esta reunião internacional congrega um conjunto de personalidades do mundo ibero-americano e estende-se a quatro cidades do sul da Península Ibérica: Vila Real de Santo António, Faro, Huelva e Sevilha.

 

Realizada em parceria com a Universidade do Algarve, a IX Reunião do Conselho Mundial do Projeto José Martí para a Solidariedade Internacional prevê a realização de uma série de conferências e sessões de reflexão com personalidades de notável mérito, como Frei Betto, destacado intelectual e Teólogo brasileiro; Raúl Torres, Presidente da Casa de Cultura do Equador; Pedro Monreal, Representante da UNESCO; Hectór Hernández Pardo, Coordenador Executivo do Projeto José Martí para a Solidariedade Internacional, entre outros.

 

De acordo com Luís Gomes, presidente da Câmara Municipal de VRSA, «a realização desta conferência em Portugal, particularmente em VRSA, constitui uma oportunidade única no aprofundamento dos laços de solidariedade entre os continentes europeu e americano e representa um desafio na forma de observar e avaliar as diferentes correntes políticas e de pensamento mundiais».

 

«De uma forma inédita, vamos receber, no nosso país, um conjunto de pensadores de reconhecida influência ideológica e filosófica, facto que cimenta a longa parceria já estabelecida entre VRSA e a República de Cuba ao nível da cultura, saúde, solidariedade e desenvolvimento», prossegue Luís Gomes.

 

Para Hectór Hernández Pardo, coordenador executivo do Projeto José Martí, «esta reunião representa, de forma inequívoca, a difusão do conhecimento do pensamento social e político da América Latina e do Caribe na Europa e potencia o reforço dos laços culturais com todos os países desta região do mundo».

 

Além de ser apresentado o Projeto José Martí para a Solidariedade Internacional, vários temas serão debatidos pelos mais influentes pensadores e figuras mundiais, nomeadamente as questões da América Latina e da Europa perante os desafios da integração ou as problemáticas da crise da modernidade e da espiritualidade.

 

O Conselho Mundial José Martí tem como missão coordenar todos os eventos que se destinem a homenagear o influente pensador, poeta, político e filósofo cubano José Martí, nascido há 160 anos, a 28 de janeiro de 1853.

 

De recordar que o presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Luís Gomes, integrou o Conselho Mundial do Projeto José Martí de Solidariedade Internacional em 2013.

 

José Julián Martí Pérez

 

Político, pensador, jornalista, filósofo, poeta, criador do Partido Revolucionário Cubano (PRC) e organizador da Guerra de 1895, ou Guerra Necessária. O seu pensamento transcendeu as fronteiras da sua Cuba natal para adquirir um caráter universal. Ficou também conhecido como «El apóstol».

 

José Martí foi o grande mártir da Independência de Cuba, em relação à Espanha. Além de poeta e pensador fecundo, demonstrou, desde jovem, inquietude cívica e simpatia pelas ideias revolucionárias que existiam entre os cubanos.

 

Influenciado pelas ideias de independência de Rafael Maria de Mendive, seu mestre na escola secundária de Havana, iniciou a sua participação política escrevendo e distribuindo jornais com conteúdo separatista no início da Guerra dos Dez Anos. Com a prisão e deportação do seu mestre Mendive, cristalizou-se a atitude de rebeldia que Martí nutria contra o domínio espanhol.

 

Em 1869, com apenas dezasseis anos, publicou a folha impressa separatista «El Diablo Cojuelo» e o primeiro e único número da revista «La Patria Libre». No mesmo ano, passou a distribuir um jornal manuscrito intitulado «El Siboney». Pouco depois, foi preso e processado pelo governo espanhol por estar na posse de papéis considerados revolucionários.

 

Em 1871, com a sua saúde debilitada, a família conseguiu um indulto e obteve a permuta da pena original pela deportação à Espanha. Em Espanha, Martí publicou, naquele mesmo ano,  o seu primeiro trabalho de importância: «El Presidio Político en Cuba», no qual expôs as crueldades e os horrores vividos no período em que esteve preso. Nesta obra já se encontravam presentes o idealismo e o estilo vigoroso que tornariam Martí conhecido nos círculos intelectuais da sua época.

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *