Póvoa de Lanhoso, Sociedade

Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso apoia produção de medronheiro

Assinatura Protocolo 4A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso apresentou um projeto pioneiro no norte do país, que procura incentivar a plantação de uma espécie autóctone, o medronheiro, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento da economia local e para a prevenção de incêndios florestais.

 

Esta apresentação decorreu na manhã do dia 20 de Novembro, nos Paços do Concelho.

 

Na mesma oportunidade, realizou-se a assinatura de um protocolo de cedência de terreno (por 15 anos) entre a Câmara Municipal, representada pela Vice-Presidente, e duas jovens empreendedoras para a plantação com aquela espécie autóctone de uma área superior a dois hectares, nas imediações do Castelo de Lanhoso, o que assinalou de uma forma simbólica o arranque deste mesmo projeto. Com esta plantação de 1400 exemplares, consegue-se aumentar a biodiversidade daquele espaço.

 

“Trata-se de um reaproveitamento florestal, em que predominava o eucalipto e o pinheiro, mas de forma desordenada. Trata-se também de apoiar mais uma iniciativa empreendedora com recurso à floresta, o que permite atuar em diversas vertentes: na defesa da floresta, na prevenção da erosão, na prevenção de incêndios. É uma forma de apoiar o desenvolvimento de uma espécie autóctone, é um apoio ao desenvolvimento socioeconómico do concelho e, como sempre, a Câmara Municipal está disponível à criação de empresas no concelho, que proporcionem o seu desenvolvimento e a sua promoção. Desejo-vos os maiores sucessos”, referiu a Vice-Presidente da Autarquia, Gabriela Fonseca.

 

O Vereador da Proteção Civil também interveio. “Vamos deixar de ter incêndios naquele local para passarmos a ter uma espécie florestal, que, para além de vir fortalecer e contribuir para a dinâmica da economia do concelho, vai contribuir também para essa vertente de ordenamento florestal e de combate a incêndios”, salientou Armando Fernandes, relembrando que “este é um projeto pioneiro” e assegurando que a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através do seu Gabinete Técnico Florestal, está disponível para apoiar este e outros projetos que surjam “até para que, mesmo nesta área, possamos aqui ter escala”.

 

As jovens produtoras partilharam os seus objetivos. “Agradecemos à Câmara por nos dar esta oportunidade, que é algo inovador”, referiu Cecília Geraldo, considerando que pode ser uma mais valia para o concelho “e é isso que nós procuramos. Ser inovadoras com um fruto que é pouco conhecido cá em Portugal. É algo que é nosso e temos de fazer avançar a produção portuguesa”.

 

Fomentar as espécies florestais autóctones; potenciar o aproveitamento florestal; diversificar e aproveitar a multifuncionalidade da floresta; criar e dinamizar a economia e produtos locais; promover o ordenamento florestal e a diminuição de incêndios florestais; e apoiar o empreendedorismo são os principais objetivos deste projeto da Câmara Municipal, apresentados pela responsável pelo Gabinete Técnico Florestal, Manuela Freitas.

 

De lembrar que são diversas as potencialidades do medronheiro e do medronho: pode ser consumido como fruto, para curtimento de peles, para fins medicinais, na produção de doces e compotas, na produção de aguardente, vinagre e mel e mesmo para a produção de madeira.

 

A apresentação deste projeto integrou as comemorações do Dia da Floresta Autóctone, que ainda apresentam, no dia 25 de Novembro, a realização de sementeiras de espécies locais, no Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos.

Através do ordenamento florestal, é ainda intenção fazer olhar para a nossa floresta como fonte inesgotável de recursos, que, para além de proporcionarem rendimento, contribuem ainda para a proteção da floresta e para melhoria de qualidade ambiental.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *