Sociedade

Celorico de Basto inaugurou Posto da GNR após obras de requalificação

_DSC0856“Trata-se da inauguração de  uma infraestrutura que era um anseio de todos. Uma obra que só foi  possível graças ao empenho e colaboração do governo, do ministro  da tutela e da autarquia. Afinal, quanto melhores forem as condições  de trabalho para os profissionais melhor serão executadas as funções  que lhe são inerentes”, palavras do presidente da Câmara Municipal  de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, no discurso protocolar na  cerimónia de inauguração oficial do Posto da Guarda Nacional Republicana.  O autarca salientou ainda o bom desempenho das forças da autoridade  na promoção da segurança da comunidade local. “Vivemos num concelho  seguro graças ao empenho das forças de segurança que executam um  trabalho exemplar. Agora, com estas condições, estou certo que continuarão  a servir a população da melhor forma e mais motivados na execução  das suas funções”.

Em Celorico de Basto foi inaugurado,  no dia 16 de novembro, o Posto da GNR, após obras de requalificação.

A inauguração contou com altas individualidades,  tendo sido presidida pelo ministro da Administração Interna, Miguel  Macedo, que salientou que “apesar das dificuldades financeiras, trata-se  de uma obra que concluímos com um conjunto de protocolos assinados  há alguns meses com as Câmaras Municipais de todo o país, que servem  para melhorar as forças e os serviços de segurança”.

O MAI reforçou a necessidade em “criar mais condições  de apoio à população, sempre próximos e em colaboração com  os órgãos autárquicos democraticamente eleitos. Neste contexto agradeço  o empenho do autarca local com o propósito único de resolver os problemas  e não complica-los. Note-se uma obra feita a tempo, sem derrapagens  e com o propósito para que foi desenvolvido” reforçou.

Recorde-se ainda a presença do Comandante Geral  da GNR, o Tenente- General, Luís Newton Parreira, que salientou a existência  de um policiamento proactivo de forma a preservar o sentimento de segurança  das populações. “Temos uma política que privilegia as pessoas,  na base da responsabilidade coletiva, e que mostra um grande avanço  para proporcionar a melhor segurança às populações. Tudo isto  fruto do empenho e da coordenação de esforços” retorquiu.

A cerimónia iniciou com o hastear das Bandeiras  seguindo a bênção das instalações a cargo do padre Carlos Macedo  e posterior descerramento da placa inaugurativa.

Após os tradicionais discursos protocolares e as  cerimónias características das forças de segurança, toda a comitiva  presente foi convidada a visitar as novas instalações do Posto da  GNR.

Recorde-se que a proposta de intervenção tinha  por base mediar o programa funcional estabelecido pela Direção-Geral  de Infra-Estruturas e Equipamentos (DGIE) – Ministério da Administração  Interna (MAI) para um efetivo de 25 elementos.

O projeto de reabilitação baseou-se na adequação  do programa funcional ao edifício existente e em estabelecer a articulação  entre os espaços que o constituem de modo a respeitar os padrões de  operacionalidade, de conforto e de funcionalidade desejados.

O conceito de racionalidade, sob o qual se sustenta  a proposta de intervenção, resultou da tentativa de preservação  máxima de elementos pré-existentes, bem como a aceitação de sobreposições  arquitetónicas e construtivas.

Preservam-se assim todos os paramentos interiores  cuja localização se adequou à nova modelação interna, respeitaram-se  as marcações de vãos exteriores existentes, introduzindo-se as alterações  estritamente necessárias ao novo programa e mantendo-se a estrutura  geral do edifício, introduzindo-se apenas elementos pontuais.

Foi objetivo encontrar uma solução arquitetónica  capaz de adotar soluções construtivas que possibilitaram soluções  técnicas de custos reduzidos.

As soluções adotadas em materiais de revestimento  e acabamento, caixilharias exteriores e

instalações técnicas do edifício, de forma a  atingir o maior período de utilização com a menor manutenção possível,  reduzindo-se, assim, os custos de conservação e manutenção.

Preservou-se o atual ponto de acesso ao edifício  (piso 0), a partir do n.º 81 da Rua 5 de Outubro.

Este comunica diretamente com a zona de receção,  que se constitui por um guarda-vento, um átrio/sala de espera e uma  instalação sanitária comum com capacidade de utilização por pessoas  com mobilidade condicionada. Por sua vez o átrio comunica com a área  de plantão de se constitui por um posto rádio, uma instalação sanitária  de serviço ao plantão e uma sala de atendimento, que se relaciona  com o átrio através de um balcão de atendimento.

A estrutura de circulação interna permite que a  partir do átrio se acedam às restantes áreas do Posto Territorial,  de modo a que os cidadãos possam ser acompanhados por um agente a gabinetes  de inquérito e à sala de apoio à vítima, bem como o acesso autónomo  às áreas policiais, de inquéritos e de detenção.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *