Cultura, Póvoa de Varzim

Biblioteca da Póvoa de Varzim presta homenagem a Joteme

image002Biblioteca presta homenagem a JotemeA Biblioteca Municipal presta homenagem a José dos Santos Marques, mais conhecido por “Joteme”, falecido no dia 24 de setembro, aos 99 anos de idade, com a realização de uma mostra documental.

Esta mostra apresenta artigos originais e material usado na edição do livro Histórias do meu tempo e documentação bibliográfica de José dos Santos Marques.

 

José dos Santos Marques [19 Março 1914 ~ 24 de Setembro 2013]

“Sou José dos Santos Marques, nascido num  casebre da Rua de Traz-os-Quintais desta Póvoa de Varzim a 19 de Março de 1914. Por volta dos 6 anos entrei para uma mestra a fim de aprender o catecismo e as primeiras letras; aos 8 anos passei para a Escola Pereira Azurar, pertinho de casa; passado um ano passei para a Escola dos Sininhos e dali, por mais 2 anos, para a Escola Camões, no extremo norte da Avenida dos Banhos. Que grande pulo…
Aos 12 anos, portanto em 1926, comecei a trabalhar como tipógrafo para a obtenção da formatura em letras de chumbo. Da tipografia Poveira saltei para a de Santos Graça & Frasco onde eram impressos os semanários “O Progresso” e “O Comércio da Póvoa”. Aqui comecei por apreciar os escritos dos seus colaboradores e fiquei com o vício. Nos anos de 1936/37 servi o Exército no quartel do Batalhão de Caçadores 5, em Lisboa, decorria a guerra em Espanha. Em Dezembro de 1948, já com família constituída, rumei para Moçambique, com destino a Quelimane. Quando lá chegado o lugar que me fora destinado estava já preenchido porque esperei oito meses para o embarque. Porém, o amigo Manuel Lopes Ferreira (Quintandura) conseguiu encaixar-me em um escritório, dado que eu possuía o curso comercial tirado às noites na Escola Comercial e Industrial Rocha Peixoto, concluído em 1943, ficando assim pela teoria, sem qualquer prática. Consegui-a com a ajuda de um técnico, já idoso, de nome José Maria Alcoforado, revolucionário de Monsanto para repor a monarquia. Foi o período mais difícil porque trabalhava de dia e de noite.

Conseguida a carteira profissional de guarda-livros e dentro mais ou menos do mesmo regime de trabalho, consegui a gerência de duas empresas. Com a independência de Moçambique passei a funcionário na empresa estatal – EMOPESCA – na Beira, até 1981, ano em que regressei à Póvoa de Varzim.

Por tão longa confissão, espero o vosso perdão.”

 

A mostra documental está patente no átrio da Biblioteca Municipal até ao dia 25 de outubro.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *