Santa Comba Dão, Sociedade

Santa Comba Dão comemorou o 10 de Junho

Comemoracoes_10Junho 017O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas foi comemorado em Santa Comba Dão com um conjunto de inaugurações e homenagens que decorreram ao longo da manhã e um programa cultural que aconteceu ao longo da tarde.

 

Pelas 11 horas, deu-se início às festividades com a inauguração do espaço de rés-do-chão da Casa dos Arcos, um dos edifícios mais emblemáticos do concelho que foi alvo de obras de requalificação e refuncionalização.

 

A inauguração contou com o descerramento de uma lápide comemorativa por parte de Salvador Massano Cardoso, Presidente da Assembleia Municipal de Santa Comba Dão e de João Lourenço, Presidente da Câmara Municipal com a presença dos restantes vereadores da Autarquia, Presidentes das Juntas de Freguesia do concelho, deputados da Assembleia Municipal e entidades oficiais.

 

Seguiram-se os tradicionais discursos de inauguração que decorreram numa das salas deste espaço.

 

João Lourenço iniciou a sua intervenção esclarecendo que estas obras surgiram do facto do Município se ter candidatado ao projecto Balcão Único de Atendimento, dinamizado pela Comunidade Intermunicipal da Região de Viseu Dão-Lafões e da necessidade de aumentar os espaços da Biblioteca Municipal Alves Mateus que funciona no primeiro andar do edifício.

 

Relativamente ao financiamento para estas obras, o Presidente da Câmara Municipal esclareceu que o Município, aproveitando uma abertura de candidaturas da ADICES – Associação de Desenvolvimento Local ao Programa Proder para recuperação de património, encetou o projecto de requalificação deste rés-do-chão com vista a colmatar as necessidades de ambas as valências, aproveitando, ao mesmo tempo, para requalificar a zona exterior das arcadas, transformando-a num espaço mais acolhedor e propício a actividades culturais e empresariais.

 

Ao terminar a sua intervenção João Lourenço referiu, ainda, que o esforço financeiro municipal constitui um investimento para todos os santacombadenses, adiantando que, numa segunda fase, o Município prevê a requalificação da capela e outros trabalhos como, por exemplo, a recuperação do telhado que se encontra degradado.

 

Ao tomar da palavra, Salvador Massano Cardoso não escondeu a sua satisfação por ver aquele espaço requalificado.

 

No que concerne ao Balcão Único de Atendimento, o Presidente da Assembleia Municipal, felicitou a criação deste espaço referindo que o apoio ao cidadão deve ser célere e eficaz e expressou a sua satisfação relativamente ao projecto de recuperação da capela do edifício.

 

Após os discursos, os convidados efectuaram uma visita pelo espaço requalificado assinalando, ao mesmo tempo, a inauguração oficial da Feira do Livro de Santa Comba Dão patente nas galerias do espaço.

 

Após esta visita, aconteceu mais um momento protocolar destas comemorações, a cerimónia do hastear da bandeira, que contou com as presenças de Salvador Massano Cardoso, Presidente da Assembleia Municipal de Santa Comba Dão e de João Lourenço, Presidente da Câmara Municipal e com a actuação da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários.

 

Ao final da manhã realizou-se, no jardim junto ao Palácio da Justiça, a cerimónia de homenagem aos soldados do concelho de Santa Comba Dão que perderam a vida na I Guerra Mundial: Joaquim Coelho Cardoso (O Cadete), de Santa Comba Dão, Elias Marques, de Nagozela, e Artur Neves, do Couto do Mosteiro, falecidos em combate, na França, em 1917.

A homenagem, composta pelo descerrar de uma lápide e pelo depósito de uma coroa de flores no memorial aos combatentes, iniciou-se com os discursos proferidos por João Lourenço e Salvador Massano Cardoso.

 

João Lourenço lembrou aos presentes que o local escolhido para a colocação deste memorial aos mortos na I Guerra Mundial, junto ao Monumento aos Combatentes do Ultramar, não é coincidência.

 

Relembrou, ainda, a campanha do Corpo Expedicionário Português que foi para França em 1917 para defender as então colónias portuguesas, reforçando que esta é uma homenagem justa àqueles que lutaram pela liberdade e fez notar que os santacombadenses respeitam o sacrifício dos que tombaram na guerra, elogiando a sua bravura e coragem.

 

Já Salvador Massano Cardoso realçou o heroísmo destes combatentes sublinhando que o heroísmo não se esgota no momento em que se luta ou se perde a vida partilhando com os presentes a história de um dos soldados que se encontra sepultado no cemitério da cidade e cuja lápide ostenta a seguinte inscrição: “Morto na Guerra da Flandres”.

 

O presidente da Assembleia Municipal alertou para o facto de, provavelmente, Santa Comba Dão ser o último concelho do país a prestar homenagem aos combatentes mortos na Guerra da Flandres e realçou que, com a construção deste memorial Santa Comba Dão não precisa de se socorrer do Túmulo ao Soldado Desconhecido para prestar homenagem aos seus heróis.

 

Após os discursos Teresa Gonçalves declamou o poema “Retrato do Herói”, de Ary dos Santos e Casimiro Marques Pedro, familiar do combatente de Nagozela falecido na I Guerra Mundial, juntou-se a Salvador Massano Cardoso e João Lourenço para descerrar a lápide do memorial e depositar uma coroa de flores.

 

Também os combatentes do concelho falecidos na Guerra Colonial foram alvo de homenagem nesta manhã com a deposição de uma coroa de flores no monumento.

 

As cerimónias da parte da manhã foram concluídas com a celebração de missa na Igreja Matriz devido às condições meteorológicas que se fizeram sentir ao final da manhã.

 

Da parte da tarde, as comemorações do 10 de Junho prosseguiram, junto ao Palácio da Justiça, com as actuações da Tuna de Santo Estêvão de Santa Comba Dão, do Rancho Folclórico “Os Alegres” de Treixedo, do Grupo de Cantares Mó D’Antiga de São Joaninho e do Grupo de Cantares “Viver a Música” da Póvoa dos Mosqueiros e com porco no espeto servido no parque de estacionamento da Casa dos Arcos.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *