Póvoa de Varzim, Sociedade

Município da Póvoa de Varzim já entregou 106 talhões para cultivo

image002Mais de uma centena de pessoas irá, em breve, dar início ao cultivo nos terrenos cedidos pela Câmara Municipal, junto ao Parque da Cidade e Estádio Municipal.

A distribuição dos 106 talhões entregues realizou-se no passado sábado, ficando cada um a conhecer o seu espaço, as condições que dispõe e ainda algumas dicas de produção, num seminário dado pela Horpozim – Associação de Horticultores da Póvoa de Varzim.

Aires Pereira, Vice-Presidente e Vereador do Pelouro do Ambiente da Câmara Municipal, revelou que, este novo projeto de incentivo à agricultura sustentável pensado para as famílias poveiras, contou com 112 candidaturas para 106 talhões disponíveis, com cerca de 50 m2 cada. Neste sentido, “A Nossa Horta” não acaba aqui e haverá novo concurso para as pessoas interessadas sendo que ainda existem milhares de metros quadrados de terreno destinado a este projeto, esclareceu o autarca, reconhecendo que para além de ser útil do ponto de vista económico, tem também uma vertente terapêutica.

O Vice-Presidente explicou que o município disponibilizou um conjunto de infraestruturas mínimas para a prática agrícola, sendo que este espaço dispõe de dois pré fabricados para guardar os utensílios dos utilizadores, assim como um sistema de rega e vigilância 24 horas por dia. Pretende-se que as pessoas tenham a vida mais facilitada com estes equipamentos básicos, assegurou Aires Pereira.

Carlos Alberto Lino, Presidente da Horpozim, afirmou que foi com imenso agrado que a Associação de Horticultores abraçou este projeto que considera ser uma mais-valia para todos, estando disponível para dar os esclarecimentos necessários e uma formação inicial.

O Presidente da Horpozim explicou que, nesta altura, dá para fazer qualquer tipo de horticultura nestes terrenos, nomeadamente, cenoura, penca, alface, tomate, feijão-verde, entre outros.

No entanto, alertou para condições meteorológicas adversas, que podem ser minimizadas com materiais e técnicas próprias.

“O meu filho andou na estufa da escola, gosta de trabalhar na terra e decidi concorrer”, explica Valentina Feiteira. É empregada numa padaria e a crise obriga, agora, a maior “ginástica” no orçamento familiar. Quer plantar alface, tomate, couves e “outras coisas do dia-a-dia” e espera, assim baixar a conta do supermercado.

Teresa Figueiredo é técnica de recursos humanos. Quer, sobretudo, “ocupar o tempo livre e relaxar”, mas admite a “ajuda financeira” que dali possa vir.

Há quem já tenha experiência na agricultura, como Carla Gomes, que aos 34 anos também tem, a partir de agora, uma pequena horta, mas, para quem nada sabe, a Horpozim – Associação de Horticultores da Póvoa de Varzim dará uma pequena formação.

No portal municipal, está disponível uma apresentação com informação útil para quem vai dar início à sua produção.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *