Cultura, Santa Maria da Feira

Artistas de 16 países no maior festival de Artes de Rua realizado em Portugal em Santa Maria da Feira

A 13ª edição do Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua toma conta da cidade de Santa Maria da Feira entre 24 e 26 de maio. Ao longo de três 23dias, mais de 400 artistas de 16 países ocupam e reinventam os espaços públicos daquela que é considerada a “capital das Artes de Rua” com 48 projetos, 117 espetáculos – todos com entrada gratuita –, 25 estreias nacionais, 19 estreias absolutas e cinco criações próprias.

 

A diversidade de linguagens artísticas é uma das marcas desta edição, onde sai reforçada a componente de artes visuais, com a conceção de uma escultura de cortiça – Diorama Cork Faktory – pelo artista plástico Vhils, numa homenagem à indústria corticeira do Concelho. Destaca-se ainda a diversidade dos 16 países de origem das criações (Portugal, Espanha, Alemanha, Eslovénia, França, Brasil, Argentina, Áustria, Angola, Reino Unido, República Checa, Holanda, Noruega, Itália, África do Sul e Irlanda), assim como dos formatos e dos conteúdos programados.

 

Estrutura consolidada de criação, o Imaginarius apresenta nesta 13ª edição 19 estreias absolutas e cinco criações, três delas de raiz: Baile das Bicycletas, de Patrick Murys e Casa da Música, numa coprodução Imaginarius e Festival do Norte; Urban Ballets – Blast, numa coprodução Imaginarius, Carnaval de Deux Rives (Bordéus, França), Carnaval de Belfast – Irlanda do Norte e National Arts Festival (Grahamstown – África do Sul); e Travessia, dos argentinos Edith Scher e Omar Gasparini. Nestes e noutros projetos do festival, as comunidades locais têm uma participação cada vez mais ativa e crítica nos processos de criação, sendo este ano mais de mil os participantes da comunidade.

 

Nesta edição, o Imaginarius contempla 12 coproduções e parcerias de programação que resultam num genuíno trabalho em rede – local, regional, nacional e internacional. Bodies in Urban Spaces, da companhia Willi Dorner, é um dos bons exemplos de coprodução com a Fundação de Serralves. Um projeto que partilha o elenco e arquiteturas das cidades do Porto e Santa Maria da Feira.

 

O Mais Imaginarius – espaço aberto a jovens criadores de todo o mundo – assume-se como a linha da frente o festival. É o espaço onde criadores podem correr riscos, privilegiar a experimentação e a prática artística informada. Nesta edição, serão apresentados 23 projetos de oito países, nas áreas de Graffiti, Performance, Música, Teatro, Circo, Instalação e Dança.

 

O mundo em que vivemos inspira a “A Europa Imaginada” como tema central da Conferência Internacional de Artes e Espaço Público, assim como a criação, em estreia absoluta, de Jangada de Pedra pelo Teatro O Bando, e o questionador Ginkgo, da companhia alemã Antagon Theater AKTion.

 

“É exatamente porque vivemos este momento que este festival é necessário. Pela vontade de transformação, pelo espaço aberto à criação, pela ocupação do espaço público, pelo exercício pleno do direito de acesso à fruição cultural, pelos impactos educativos, comunitários, económicos, urbanísticos, turísticos no território”, sublinha o diretor artístico do festival, Hugo Cruz.

 

Mais informação em www.imaginarius.pt.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *