Santo Tirso, Sociedade

Santo Tirso assinalou o Dia Municipal do Bombeiro

dia municipal do bombeiro em santo tirsoPatrocinadas pela Câmara Municipal de Santo Tirso e organizadas, este ano, pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Tirsenses (Amarelos) decorreram durante a tarde de sábado, dia 18 de Maio, as comemorações do DIA MUNICIPAL DO BOMBEIRO.

Importa referir desde logo que as três corporações receberam uma prenda camarária de 78 600 euros, englobando os subsídios anuais (10 500 euros a cada corporação) e os apoios financeiros para a aquisição de material e equipamento logístico (15 700 euros a cada corporação).

Depois da cerimónia de boas-vindas que decorreu na Praça 25 de Abril com uma parada de bombeiros (foto em anexo), seguiu-se a sessão solene durante as quais foram feitas intervenções várias e atribuídas medalhas a bombeiros com e sem farda.

Carlos Oliveira, o presidente dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, abriu a cerimónia solene, lembrando que com Castro Fernandes a presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso “nunca os bombeiros do concelho de Santo Tirso tiveram necessidade de ir para rua reivindicar o que quer que fosse” ainda por cima numa altura em que “atravessamos dificuldades”. Todavia, disse ainda Carlos Oliveira “o que mais importa agora é união para avançarmos com os projetos futuros” e mostrou-se satisfeito por mais uma vez ver as três corporações “reunidas em confraternização e emanadas em cumprir com total dignidade o voluntariado”.

Em representação da Autoridade Nacional da Proteção Civil esteve o Coronel Teixeira Leite que gabou “a forma eficiente como os bombeiros do concelho de Santo Tirso e a camara municipal trabalham enquanto agentes de proteção civil e a forma pioneira como aprovaram e já puseram à prova o seu Plano Municipal de Emergência e de Proteção Civil”.

Por sua vez o representante da Liga dos Bombeiros e da Federação Distrital do Porto, Artur Carneiro considerou Castro Fernandes “um presidente de câmara que tem sido um exemplo para o distrito quanto ao apoio que dá às três associações humanitárias do Concelho de Santo Tirso” mas também porque “sempre primou por cumprir e praticar uma relação de profundo respeito com as associações locais e distritais, designadamente com a Federação dos Bombeiro do Porto.”

Ao presidente da Camara Municipal de Santo Tirso, Castro Fernandes, coube a intervenção mais longa e que passamos a transcrever na íntegra:

«Estamos aqui hoje para assinalar, mais uma vez, o Dia Municipal do Bombeiro. Uma data comemorativa em homenagem ao BOMBEIRO – homens e mulheres – que cumprem serviços de socorro e auxílio às populações. As missões dos bombeiros estão consagradas na legislação específica em vigor, nomeadamente os Decretos-Lei nos. 247/2007 e 248/2012.

Relembro algumas destas missões:

– A prevenção e o combate a incêndios;

– O socorro às populações, em caso de incêndios, inundações, desabamentos e, de um modo geral, em todos os acidentes;

– O socorro a náufragos e buscas subaquáticas; o socorro e transporte de acidentados e doentes, incluindo a urgência pré -hospitalar, no âmbito do sistema integrado de emergência médica;

– A emissão, nos termos da lei, de pareceres técnicos em matéria de prevenção e segurança contra riscos de incêndio e outros sinistros;

– A participação em outras atividades de proteção civil, no âmbito do exercício das funções específicas que lhes forem cometidas;

– O exercício de atividades de formação e sensibilização, com especial incidência para a prevenção do risco de incêndio e acidentes junto das populações;

– A participação em outras ações e o exercício de outras atividades, para as quais estejam tecnicamente preparados e se enquadrem nos seus fins específicos e nos fins das respetivas entidades detentoras.

Ser bombeiro é assumir, com coragem, tarefas humanitárias. Em prol dos cidadãos, 24 horas por dia, 365 dias por ano. Merecem assim esta homenagem do município.

Nestes pressupostos nunca é  demais percebermos e divulgarmos o seu trabalho e as suas áreas de atuação em Santo Tirso, quer seja em matéria de incêndios florestais, incêndios urbanos, transporte de doentes, socorro em acidentes e inundações, sensibilização em estabelecimentos de ensino, empresas e instituições, exercícios de evacuação, simulacros.

No município de Santo Tirso homenageamos três Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários que, na sua área operacional, ou em conjunto, têm contribuído significativamente para a proteção da população do seu concelho: a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila das Aves.

Em Santo Tirso, atuam:

1 – Defesa da Floresta contra Incêndios

A gestão sustentável da floresta neste município – que ocupa cerca de 50% do território – é um aspeto importante que importa realçar: Santo Tirso apresenta uma vasta mancha florestal, com povoamentos florestais em continuidade espacial e núcleos arbóreos significativos que importa proteger.

Vigiar, detetar e combater incêndios florestais são tarefas constantes nas épocas críticas de incêndios florestais. Mas prever e atuar proactivamente são também ações prioritárias. Assim, o papel dos bombeiros não se esgota no combate. Inclui também o planeamento atempado e uma gestão partilhada e participativa com o Gabinete Técnico Florestal da Câmara Municipal e demais agentes de proteção civil.

Neste contexto, as três corporações de bombeiros integram a Comissão Municipal de Defesa da Floresta. Está  já aprovado o Plano Operacional Municipal para 2013, no âmbito do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios, que se encontra em revisão e atualização.

Está assim definido o dispositivo operacional municipal e toda a articulação da rede de vigilância, deteção e combate. Articulam-se com os Bombeiros Voluntários, a Equipa de Sapadores Florestais, as forças de segurança, incluindo a Polícia Municipal, a Associação de Silvicultores do Vale do Ave e os produtores florestais. O objetivo central é único: Defender a Floresta contra Incêndios.

De realçar que a Equipa de Sapadores Florestais em Santo Tirso está constituída desde 2008, através de um protocolo celebrado com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas. É comparticipada pela Câmara Municipal de Santo Tirso, desde então, com o valor de 45 mil euros/ano. Este montante representa 56% do valor total atribuído.

Ainda no âmbito da Defesa da Floresta Contra incêndios, a Câmara Municipal vai ceder uma moto4 a cada Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários, para vigilância, deteção e 1ª intervenção a incêndios florestais.

2 – Proteção Civil

Os corpos dos bombeiros são agentes de proteção civil e integram a Comissão Municipal de Proteção Civil. São várias as tarefas que lhes são incumbidas nesta matéria. Salvaguardar pessoas e bens, acudir e socorrer em caso de acidente grave ou catástrofe ou apoiar a reposição da normalidade são atividades que desenvolvem com coragem confiança e zelo.

É inquestionável o seu contributo.

Nesta área da proteção civil, os bombeiros contribuem com a realização de outras tarefas essenciais: A formação e a informação. Saber como agir em situações adversas como acidentes graves, catástrofes é uma aprendizagem por demais importante para todos nós.

É de destacar a formação dada aos estabelecimentos de ensino, quer quanto ao uso e manuseamento de extintores, quer na realização de palestras e comunicações sobre segurança, adoção de comportamentos adequados, medidas de autoproteção.

O acompanhamento de Planos de Segurança Internos, realização de exercícios de evacuação e simulacros que se estendem às empresas, associações e instituições são um contributo essencial à promoção de uma cultura de segurança e educação pela cidadania.

3- Saúde

O papel do Bombeiro Voluntário é relevante também no domínio dos serviços de saúde, assistência e solidariedade social. O serviço de transporte de doentes e ou de sinistrados, o transporte ambulatório entre outros, são prestados com cuidado e respeito para com as pessoas que necessitam destes serviços. Cuidar, socorrer e acolher as pessoas que estão vulneráveis e frágeis são atitudes humanitárias e sempre visíveis nos bombeiros voluntários. Sabemos que as corporações de Santo Tirso, Tirsenses e de Vila das Aves têm sempre uma palavra amiga nesta matéria.

É sentida e justa esta homenagem. É de louvar a sua coragem, empenho e até abnegação. Agradeço publicamente a estes homens e mulheres que se dedicam afincadamente a esta causa. Porque é de uma Causa que falamos.

A Câmara Municipal de Santo Tirso reconhece o seu trabalho e apoia as Corporações dos Bombeiros do concelho, apesar da difícil conjuntura económica atual. Como sabem os municípios têm perdido receitas, quer próprias quer das transferências do Estado.

Apesar desta difícil realidade, a Câmara Municipal entende que é importante continuar a apoiar os nossos corpos de bombeiros, porque de facto desempenham serviços de reconhecido préstimo à população do concelho.

Enumero aqui alguns apoios financeiros:

Equipas de Intervenção Permanente:

A Câmara Municipal manifestou interesse em manter constituídas as Equipas de Intervenção Permanente existentes.

Estas equipas resultam de um protocolo entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil, a Câmara Municipal de Santo Tirso e as Associações Humanitárias dos Bombeiros Voluntários e têm como missão assegurar, em permanência, serviços de socorro às populações.

A Câmara Municipal comparticipa 50% do valor que corresponde a um subsídio anual de 70 mil euros.

Subsídios anuais:

São atribuídos anualmente 10 500 euros a cada uma das Associações Humanitárias dos Bombeiros Voluntários do Concelho.

Aquisição de material e equipamento logístico:

São também atribuídos anualmente 15 700 euros por corporação de bombeiros.

Quartéis de Bombeiros:

Como sabem a Câmara Municipal apoiou financeiramente quer a construção do Novo Quartel dos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso, quer a beneficiação do Quartel dos Bombeiros Voluntários de Vila das Aves.

Ainda no âmbito dos apoios financeiros informo que está a decorrer a candidatura da Área Metropolitana do Porto ao Eixo Prioritário II – Sistemas ambientais e de prevenção, gestão e monotorização, domínio de intervenção: Prevenção e gestão de riscos naturais e tecnológicos – ações materiais do POVT, para aquisição dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Os Equipamentos de Proteção Individual de Combate a Incêndios em Espaços Naturais são constituídos por capacete florestal, cógula, fato de proteção individual, luvas e botas de combate a incêndios florestais. Neste caso a comparticipação camarária é de 15%.

Mantemos também o apoio municipal, aos Bombeiros do Município, conforme o disposto no Regulamento de Concessão de Regalias. Neste contexto, o município concede um conjunto de regalias sociais aos bombeiros tais como os seguros contra acidentes sociais, as bolsas de estudo, o apoio jurídico, o acesso gratuito a atividades culturais e desportivas promovidas pela Câmara Municipal, o acesso à habitação em condições privilegiadas, a redução de taxas em serviços municipais ou ao apoio a ações de formação.

Após o discurso do presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, seguiu-se então a entrega das seguintes medalhas:

A) MEDALHAS DE SERVIÇOS DISTINTOS

– Dr. Fernando Jorge Lopes Gonçalves Moreira, vice – presidente do conselho Fiscal da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso, funções que vem exercendo há nove anos, e com grande dedicação

– Eng.ª Ana Sofia Silva Barreto, diretora da mesma Associação Humanitária, funções que exerce desde janeiro de dois mil e oito, igualmente com grande dedicação

– Mário Alberto Silva Costa, a título póstumo, que foi responsável e chefe da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, falecido em 2 de maio 2012. Sempre revelou uma grande dedicação à Fanfarra dos Bombeiros, o que muito contribuiu para o seu prestígio

– Alberto Marques Andrade, antigo diretor da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Tirsenses, tendo iniciado funções como diretor em março de mil novecentos e cinquenta e sete. O último cargo que exerceu foi o de vice – presidente, tendo deixado de fazer parte da direção em mil novecentos e oitenta e nove. Sempre exerceu as suas funções com elevada dedicação

B) MEDALHAS DE MÉRITO E DEDICAÇÃO

GRAU PRATA (25 ANOS DE SERVIÇO EFETIVO)

– José Manuel Santos Araújo, 2º comandante;

– Belmiro Jerónimo Correia Vieira, comandante Quadro de Honra;

– José António da Silva Barros, bombeiro 1ª Quadro de Honra;

– Manuel Fernandes Silva Meireles, bombeiro 3ª supranumerário, Quadro de Honra;

– José Miguel Coelho Martins Diogo, bombeiro 2ª Quadro de Honra;

– Luís Valdemar Martins da Cunha, bombeiro 3ª supranumerário Quadro de Honra;

– Maria José Rios Soares, bombeiro 3ª supranumerário Quadro de Honra;

– Armindo Machado Ferreira Carneiro, bombeiro 3ª supranumerário Quadro de Honra

– Joaquim Jorge Salgado Pereira Lavadores – bombeiro de 3ª classe.

(OS BOMBEIROS ACIMA REFERIDOS PERTENCEM AOS CORPOS DA ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA DAS AVES)

GRAU BRONZE (15 ANOS DE SERVIÇO EFETIVO)

– Joaquim Ribeiro Faria, comandante;

– Vitor Orlando Silva Monteiro, bombeiro 2ª classe;

– Humberto Pacheco Martins, bombeiro 2ª classe;

– Avelina Odete Gonçalves Nunes, bombeiro 2ª classe;

– Ricardo Miguel Pacheco Sousa, bombeiro 3ª classe;

– Romeu Cristiano Pacheco Sousa, bombeiro 3ª classe;

– Cláudia Marisa Leal Monteiro, bombeiro 3ª classe;

– Marco Roberto Fernandes Machado, bombeiro 3ª classe

– José Alberto Ferreira Ascenção, bombeiro 3ª classe;

– Paulo Luís Lopes de Castro, bombeiro 3ª classe;

(DESTES DEZ BOMBEIROS ACIMA REFERIDOS, OS PRIMEIROS OITO PERTENCEM À ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE VILA DAS AVES, ENQUANTO QUE OS DOIS ÚLTIMOS OERTENCEM À ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS TIRSENSES)

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *