Óbidos, Sociedade

Rede de Espaços Criativos de Óbidos – “Criámos a possibilidade das pessoas poderem viver e trabalhar no centro histórico”

Visita à rede de Espaços Criativos - Óbidos“Óbidos quis fazer o trabalho de recuperação patrimonial e cruzá-lo com a aposta económica que o Município tem estado a fazer, nomeadamente no setor da economia criativa.” É desta forma que Telmo Faria fala da Rede de Espaços Criativos, composta por três habitações que estão, neste momento, em fase de recuperação, dentro do centro histórico da vila. A visita à Casa José Joaquim dos Santos, Casa Josefa d’Óbidos e Casa André Reinoso aconteceu no passado sábado, dia 26 de janeiro, no âmbito das celebrações do Feriado Municipal.

 

Segundo o Presidente da Câmara Municipal de Óbidos, criou-se a “oportunidade de introduzir dentro do centro histórico a possibilidade das pessoas poderem viver e trabalhar, com a reabilitação de um conjunto de casas que o Município conseguiu ir comprando ao longo dos anos e depois, mal conseguiu ter apoios, nomeadamente fundos comunitários, para poder recuperar essas casas, desenvolver essa estratégia”.

 

“Há aqui o cruzamento entre política de requalificação, política de recuperação e valorização patrimonial e meter dentro de um centro histórico atividades económicas também para combater aquilo que são as atividades monopolizadoras do turismo e da cultura, que normalmente ocupam áreas como esta”, explica o autarca.

 

Telmo Faria afirma que a intervenção que está a ser feita é a “resposta daquilo que é possível”, uma vez que, dentro de um quadro geral em Portugal, “não há uma política pública de apoio à recuperação do património”, o que leva à desertificação dos centros históricos um pouco por todo o País. “É muito difícil contrariar esta tendência, pela inexistência de políticas públicas, nomeadamente de gavetas financeiras, ou de ações, que de modo concertado, privilegiem a recuperação do património, seja por parte de uma Câmara Municipal, seja por parte dos proprietários”, lamenta.

 

De acordo com o autarca, quem imagina que é fácil repovoar os centros históricos “está enganado”, uma vez que o País “não está a olhar como deveria ser” para estas situações. “E, portanto, se conseguirmos atrair jovens famílias que tenham uma profissão criativa, uma atividade económica que encaixe dentro das economias criativas, nós cederemos por rendas justas e equilibradas, através de um procedimento concursal, para que as pessoas possam candidatar-se à ocupação dessas casas”, conclui.

 

 

 

Declarações mp3 de Telmo Faria, Presidente da Câmara Municipal de Óbidos, disponíveis em www.obidosdiario.com.

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *