Castro Marim, Sociedade, Turismo

Forte de São Sebastião em Castro Marim classificado Monumento Nacional

Por decisão do Conselho de Ministros, de 06 de Dezembro, o Forte de São Sebastião em Castro Marim foi classificado Monumento Nacional. A par do Castelo e do Revelim de Santo António, a fortificação integra o património histórico da Vila.

A construção do Forte de São Sebastião e das muralhas adjacentes datam do Século XVII e foram mandados construir em 1641, pelo rei D. João IV, no âmbito das Guerras da Restauração com Espanha, o que denota a importância estratégica deste lugar do território.

A edificação desta fortaleza veio transformar o velho castelo medieval na praça militar mais importante de todo o Algarve, atendendo à sua localização privilegiada junto à linha de fronteira.

É de salientar que a planta do Forte adaptou-se ao cerro onde está implantado, contando com um recinto amuralhado que integra cinco baluartes e cuja porta principal está virada a Norte, em direção à vila e ao Castelo, que está classificado como monumento nacional desde Junho de 1910. Originariamente, o Forte de São Sebastião enquanto elemento defensivo da vila dispunha de duas portas de ligação ao Castelo. Uma na entrada nascente em São Sebastião, a outra na entrada Sul em Santo António.

Para José  Estevens, Presidente da Câmara Municipal de Castro Marim, a decisão do Governo em classificar o Forte de São Sebastião como Monumento Nacional é motivo de orgulho e, ao mesmo tempo, de esperança para o futuro do concelho. Trata-se de reconhecer, muito justamente, o valor histórico que Castro Marim tem, porque o facto de sendo uma vila tão pequena ter dois elementos que integram o património nacional é motivo digno de orgulho. Na região do Algarve, talvez sejamos a sede de concelho que terá património com maior relevância e dimensão relativa classificado.

O autarca faz questão de sublinhar que a classificação do Forte de São Sebastião  foi um processo liderado pelos serviços de cultura do Algarve, e que a mesma contribui para a afirmação e valorização da terra, uma vez que o interesse em visitar estes monumentos aumenta especialmente quando o património passa a integrar os catálogos de monumentos classificados.

Um dos fatores que pode ter contribuído para esta distinção é o facto deste património estar completamente recuperado e dispor de uma vista panorâmica deslumbrante sobre a Reserva Natural do Sapal de Castro Marim/Vila Real de Santo António. Recorde-se que o Forte de São Sebastião, nos finais dos anos 90, estava num estado avançado de degradação, que ameaçava a sua destruição total.

Em 2004, a Câmara Municipal de Castro Marim iniciou um arrojado projeto de reconstrução integral e consolidação do Forte de São Sebastião e das respetivas muralhas, com vista à preservação da autenticidade e integridade do monumento, respeitando a sua configuração original.

Num investimento de 2 milhões de euros, faseado em três intervenções, as obras na fortificação, que integraram o Baluarte do Enterreiro, o Baluarte de São Sebastião, a Cortina do Enterreiro e a Cortina do Forte contemplaram a desmatação e limpeza, a reconfiguração pontual da alvenaria, a reparação de juntas desguarnecidas, a reparação de fissuras, a melhoria das condições de drenagem das águas pluviais, a remoção e execução de argamassas de revestimento e a reconstrução dos diferentes troços de muralhas.

A intervenção na fortaleza foi acompanhada por arqueólogos da Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa, sob a orientação da arqueóloga Ana Arruda. Recorde-se que nos últimos 200 anos, o monumento não foi objeto de qualquer melhoramento.

A recuperação e requalificação do Forte de São Sebastião ficará completa com a execução da 4ª fase do projeto, que prevê a reorganização dos espaços intramuros e área envolvente, destinados a fins turísticos, criando para o efeito dois espaços para a realização de grandes eventos culturais: um fechado dentro da cidadela do Forte, o outro no terreiro adjacente à Cortina da Lezíria, mais informal e polivalente.

Por seu turno, o Passeio de Ronda, que percorre toda a muralha da fortificação, irá dispor de estruturas de acolhimento e informação para o visitante que procura conhecer e descobrir esta peça do património histórico da vila de Castro Marim. A obra de melhoramento e valorização do Passeio de Ronda será executada brevemente.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *