Póvoa de Varzim

Ilustre poveiro por Noémia Ferreira de Castro

“Ezequiel de Campos: um poveiro ilustre” foi o tema apresentado por Noémia Ferreira de Castro, ontem à tarde, no Arquivo Municipal, n’ “À quarta (h)à conversa”.

A convidada, que prepara tese de doutoramento sobre a personalidade poveira, fez uma exposição detalhada sobre a sua vida pessoal, percurso académico e profissional.

Ezequiel de Campos nasceu na freguesia de Beiriz, concelho da Póvoa de Varzim, no seio de uma família modesta. O pai, Albino José Pereira de Campos, era alfaiate, e a mãe, Carolina Custódia de Azevedo, costureira, ambos naturais e residentes em Beiriz. Órfão de mãe desde tenra idade, foi acolhido por um tio, comerciante na Póvoa de Varzim, onde Ezequiel frequentou a escola primária. Mais tarde, fez os estudos secundários no Porto, concluídos em 1892. Aqui viveu em casa de outro tio, este regressado do Brasil e estabelecido naquela cidade como comerciante. Como a família não dispunha de meios para que frequentasse os estudos superiores, foi financiado por um amigo e benemérito de nome José António Sousa Bastos. No ano letivo de 1892/93 ingressou na Academia Politécnica do Porto, no curso de Engenharia Civil, que viria a concluir em 1898.

Em 1899, por falta de oportunidades de trabalho em Portugal, aceitou um contrato para as obras públicas em São Tomé e Príncipe, iniciando, assim, a sua vida profissional como engenheiro. Aí desenvolveu um trabalho meritório, em prol dessas Ilhas, projetando reformas agrícolas e de viação ferroviária, bem como um programa de educação destinado às populações locais.

Em 1911, após a proclamação da República, foi eleito deputado à Assembleia Constituinte pelo Círculo de Santo Tirso. Entretanto, a 1 de Março de 1917, Ezequiel de Campos casou com Isolina Gonçalves Mendes, natural de Beiriz. Em 1918 foi nomeado pelo ministro Francisco Xavier Esteves para dirigir os Estudos Hidráulicos do Douro, Cávado e Tejo. Entre 1922 e 1939 desempenhou o cargo de diretor dos Serviços Municipalizados de Gás e Eletricidade do Porto. Foi Ministro da Agricultura durante alguns meses do ano de 1924, no breve governo de José Domingues dos Santos. Durante o Estado Novo, foi Procurador à Câmara Corporativa. Entre 1957 e 1964 pertenceu ao Conselho da Presidência. Ezequiel de Campos exerceu, ainda, funções docentes no Ensino Superior: no Instituto Superior do Comércio do Porto, entre 1925 e 1927; na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, entre 1928 e 1944. Proferiu a sua última lição em 12 de Dezembro de 1944, intitulada “A Ideia, a Produção mais Valiosa do Mundo”.

Ezequiel de Campos pertenceu ao grupo da Renascença Portuguesa e, em 1921, foi um dos fundadores do Grupo Seara Nova, cujo primeiro número data de 16 de Outubro de 1921. Esta ligação intelectual evidencia, desde logo, as suas preocupações cívicas pela construção e pelo futuro do “País Real”. Oliveira Martins, Basílio Teles e Quirino de Jesus foram as suas principais influências.

Ezequiel de Campos deixou uma vasta obra. Para além dos seus estudos sobre os recursos naturais de Portugal – o aproveitamento hidroelétrico (Carrapatelo foi projeto da sua autoria) e vários projetos na área da agricultura, o Engenheiro Ezequiel de Campos apresentou soluções para diversos problemas do país.

A sua produção bibliográfica é extensa, assim como a sua colaboração na imprensa da época, nomeadamente no jornal “O Comércio do Porto” e no “Jornal de Notícias”.

Os últimos anos de vida de Ezequiel de Campos foram passados na Casa do Mosteiro, em Leça do Balio, propriedade que adquirira nos anos trinta. Nesta casa, numa tarde quente de Agosto, morreu com 91 anos de idade. O seu corpo repousa no cemitério paroquial de Beiriz, sua terra natal.

Noémia Ferreira de Castro terminou citando Manuel Lopes: “Ezequiel de Campos (1874-1965) é, sem sombra de dúvida, um dos filhos mais ilustres do concelho da Póvoa de Varzim. Foi uma personalidade de uma grandeza cultural e científica ímpar. Economista, engenheiro, homem público e escritor capaz de servir e honrar a língua portuguesa, Ezequiel de Campos é uma personalidade rica cuja obra não perdeu, de todo, actualidade e interesse. A sua notável e multiforme actividade traduz um limitado desejo de conhecer, estudar e contribuir para a solução efectiva dos problemas económicos e sociais do país.

(…)”in Doze Nomes para doze Meses (1996), Manuel Lopes

 

“À quarta (h)à conversa” é dirigida ao público sénior e apresenta, na terceira quarta-feira de cada mês, diferentes temas ligados à história local.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *