Cultura, S. João da Madeira

“Linhas de Wellington” nos Paços da Cultura de S. João da Madeiracoma presença dos atores Nuno Lopes e Victória Guerra

“Linhas de Wellington”, o projeto do produtor Paulo Branco, realizado por Valeria Sarmiento, vai ser exibido nos Paços da Cultura de S. João da Madeira. Única entrada portuguesa na competição do Festival de Veneza 2012, o filme será apresentado em S. João da Madeira pelos atores Nuno Lopes e Victória Guerra.

 

A obra é um longo fresco situado durante a terceira invasão francesa, em 1810, e decorre na épica retirada do exército anglo-português e das populações, após a batalha do Buçaco, até às Linhas de Torres. Aí o general Wellesley, futuro duque de Wellington, rechaçou os invasores, sobretudo por causa da política de terra queimada que não deixou aos exércitos de Bonaparte nem guarida nem sustento.

 

Malkovich, Catherine Deneuve

e grandes atores nacionais

 

O épico filme português, que o realizador chileno Raúl Ruiz, entretanto falecido, deixou inacabado, conta com um elenco multinacional onde pontua John Malkovich e outras estrelas internacionais como Catherine Deneuve, assim como os portugueses Soraia Chaves, Nuno Lopes e Victória Guerra, entre outros.

 

Sinopse do filme:

Em 27 de Setembro de 1810, as tropas francesas comandadas pelo marechal Massena, são derrotadas na Serra do Buçaco pelo exército anglo-português do general Wellington. Apesar da vitória, portugueses e ingleses retiram-se a marchas forçadas diante do inimigo, com o objetivo de o atrair a Torres Vedras, onde Wellington fez construir linhas fortificadas dificilmente transponíveis. Simultaneamente, o comando anglo-português organiza a evacuação de todo o território compreendido entre o campo de batalha e as linhas de Torres Vedras. É este o pano de fundo das aventuras de uma plêiade de personagens de todas as condições sociais – soldados e civis; homens, mulheres e crianças; jovens e velhos -, arrancados à rotina quotidiana pela guerra e lançados por montes e vales, entre povoações em ruína, florestas calcinadas, culturas devastadas.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *