Sociedade

Vitória holandesa no abandono de Mestre

O holandês  Kai Reus (UnitedHealthcare PC Team) venceu na chegada ao Sabugal, a sétima etapa da 74ª Volta a Portugal Liberty Seguros, mas esta quinta-feira ficou marcada pelo abandono de Ricardo Mestre (Carmim/Prio). Depois de três, à quarta foi de vez, as quedas atiraram para fora da competição o vencedor da Volta em 2011. Na classificação geral ficou tudo na mesma, Hugo Sabido (LA Alumínios/Antarte) continua a envergar a camisola amarela.

Os 185 quilómetros da ligação entre Gouveia e o Sabugal deixaram marcas irreparáveis na história da 74ª Volta a Portugal Liberty Seguros. Esta sétima etapa da competição organizada pela Lagos Sports previa-se sem grandes contratempos, e logo aos oito quilómetros 14 corredores isolaram-se na dianteira. O pelotão comandado pela equipa do camisola amarela, a LA Alumínios / Antarte, nunca deixou que a diferença fosse superior aos seis minutos. Entre os fugitivos estavam os portugueses Célio Sousa (Onda), Micael Isidoro (Selecção Nacional Portuguesa) e Samuel Caldeira (Carmim/Prio). Os algarvios tinham na frente também Tomas Swift Metcalfe, mas o pior estava para acontecer à equipa comandada por Vidal Fitas. O quilómetro 144 foi fatídico para as aspirações de Ricardo Mestre. Na aproximação a uma curva perigosa, deu-se uma queda no pelotão que atirou para fora da competição, não apenas o vencedor da Volta a Portugal no último ano, mas também Edgar Pinto (LA Alumínios/Antarte) e espanhol Garikoitz Bravo (Caja Rural).

À hora de redação deste texto as informações transmitidas pelo Hospital da Covilhã, após um primeiro diagnóstico, indicam que Ricardo Mestre (Carmim/Prio) e Garikoitz Bravo (Caja Rural) têm ferimentos sem fracturas e Edgar Pinto a clavícula partida. O jovem corredor de Albergaria-a-Velha, décimo classificado na geral antes desta etapa, continua azarado na prova rainha do ciclismo português e tal como em 2011, o abandonou a corrida depois de uma queda. José Mendes (LA Alumínios/Antarte), Amaro Antunes (Carmim/Prio) e Fran Clavijo (Andalucia) foram outros nomes envolvidos no acidente, mas ainda conseguiram regressar à corrida.

A queda afectou todo o pelotão e a perseguição aos fugitivos ficou um pouco esquecida. Na luta pelo triunfo da etapa, e entre os homens mais adiantados, Célio Sousa (Onda) e David Belda (Burgos BH / Castilla e Leon) conseguiram isolar-se inicialmente, mas a perseguição de Jean Marino (Saur Sojasun) primeiro e de Kai Reus (UnitedHealthcare PC Team) depois, deu origem a um quarteto na dianteira que discutiu o triunfo no Sabugal. O holandês Kai Reus foi mais forte que a concorrência e deu o terceiro triunfo à UnitedHealthcare, igualando os portugueses da Efapel / Glassdrive no número de vitórias em etapas. No final o holandês de 27 anos, vencedor no Sabugal, Kai Reus, sintetizou o triunfo: “Foi uma etapa muito difícil. Nos últimos trinta quilómetros vinham dois corredores na frente e pensei que este não seria o meu dia aqui, mas acabei por conseguir apanhá-los. Diminuí a distância, consegui manter o ritmo e no último quilómetro alcancei a vitória.” Célio Sousa (Onda) foi o segundo classificado e o terceiro Jean Marino (Saur/Sojasun), ambos com o mesmo tempo do vencedor.

O seu browser pode não suportar a apresentação desta imagem.

Hugo Sabido (LA Alumínios/Antarte) chegou integrado no pelotão, na 13ª posição, a quatro minutos e um segundo do vencedor e segurou a Camisola Amarela Liberty Seguros. Perspectivando a subida à Torre e a concorrência mais direta sabido enumerou os adversários: “O David Blanco, o Nelson Vitorino, o Sérgio Ribeiro, o Nuno Ribeiro. Há tantos nomes ainda. Obviamente que o Ricardo Mestre era um forte candidato visto que era o detentor em título da Volta a Portugal e é um corredor que se tem de ter sempre em conta, porque ele também se defende muito bem no contra-relógio.  Agora há menos um mas é preciso contar com meia dúzia de bons candidatos. Na Torre não vou fugir ao que tenho feito até aqui. Sei que tenho de sofrer e deixar tudo na estrada para defender esta camisola e dedicá-la aos meus colegas.”

Nas restantes classificações tudo se manteve na mesma com David de La Cruz (Caja Rural) a envergar de novo a Camisola Laranja RTP. Rui Sousa (Efapel/Glassdrive) lidera o prémio da montanha com a Camisola Azul Meo, e Reinardt Van Rensburg (MTN/Qhubeka) enverga a Camisola Vermelha Bic.

O seu browser pode não suportar a apresentação desta imagem.

E agora a Torre

Com o fim da 74ª Volta a Portugal Liberty Seguros à vista está ainda tudo por decidir e sem tempo para recuperar fôlego, o pelotão vai regressar à alta montanha. A 8ª etapa será rainha esta sexta-feira com um sobe e desce constante na Serra da Estrela. A caravana sairá da Guarda e passando pela Covilhã subirá até às Penhas da Saúde. Depois de treparem os corredores vão fazer uma descida sinuosa até Manteigas para daí pedalarem novamente, serra acima, para as Penhas Douradas. Antes da escalada por Seia haverá ainda uma passagem por Gouveia e depois, nos quilómetros finais, o espectáculo estará ao rubro a caminho da Torre (Seia) com milhares de pessoas a assistir à chegada dos heróis do asfalto!

8ª  Etapa – 24 Agosto 2012 – 154,9Km

Partida: 12h35 – Guarda

Chegada: 17h15 (horário previsto) – Seia (Torre)

A 74ª Volta a Portugal Liberty Seguros conta ainda com o patrocínio oficial do Banco BIC, Meo, RTP, Edp, Kia, Controlauto, Via Verde e Sical, sem esquecer o apoio das câmaras municipais de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Oliveira do Hospital, Oliveira do Bairro, Trofa, Vila Nova de Cerveira, Fafe, Viana do Castelo, Mondim de Basto, Armamar, Oliveira de Azeméis, Aveiro, Viseu, Gouveia, Sabugal, Guarda, Seia, Leiria, Sintra e Lisboa.

Mais informações em www.volta-portugal.com

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *