Cultura, Óbidos

Obras de Abílio de Mattos e Silva patentes na exposição Noites em São Carlos em Óbidos

Algumas das obras de Abílio de Mattos e Silva estão presentes na exposição Noites em São Carlos, organizada pelo Centro Histórico do Teatro Nacional de São Carlos.

A mostra inclui peças originais, desde 1793, de guarda-roupa de cena, cenários, cenas de ópera (Madame Butterfly), maquetas, partituras, fotografias e uma instalação na plateia e camarotes, concebida por diversos artistas da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, para além de figurinos e uma mostra de caricaturas de cantores famosos que cantaram no São Carlos de Lisboa. Todas estas peças ocuparão o foyer, a sala principal, o palco, os camarins, os corredores das frisas e o salão nobre.

Segundo o responsável, Fernando Carvalho, esta “será, a nível internacional, uma das maiores exposições alguma vez feitas sob o tema da Ópera e absolutamente inédita no que respeita aos espaços onde se desenvolvem os nove núcleos que a compõem”. Importa referir que, nos últimos anos o Centro Histórico do Teatro Nacional de São Carlos organizou cerca de trinta exposições subordinadas ao tema “Ópera”, com o objetivo de promover o imenso património detido no que diz respeito a trajes de cena, adereços cenográficos, fotografias de cantores, maestros ou óperas levadas à cena neste palco. Destacam-se algumas xposições, como “Maria Callas ou a “Exposição de Lisboa”.

A exposição, que conta com a colaboração de instituições nacionais de relevo, como a Biblioteca Nacional de Portugal, o Museu do Banco de Portugal, o Museu Nacional do Traje, o Museu Nacional do Teatro e também com alguns particulares que disponibilizaram as suas coleções, estará patente ao público entre 4 de agosto e 4 de setembro, das 10h30 às 19horas, de quarta e segunda-feira.

Abílio de Mattos e Silva

Nascido a 1 de abril de 1908, no Sardoal, e falecido em 1985, destacou-se pelo seu trabalho de cenografista e figurinista para teatro, ópera e bailado. Desde jovem, viveu em Óbidos e, entretanto, fez o liceu em Coimbra e frequentou, durante dois anos, a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Em 1928, abandonou os estudos para trabalhar na função pública. Mattos Silva foi colocado na Nazaré como funcionário público, onde viria a aprender a pintar com John Barber, Barry Green e Hagedorn. Fez uma exposição das suas obras no I Salão dos Independentes, em 1930. Seis anos mais tarde, regressou a Lisboa, mas Óbidos e Nazaré continuaram ser a sua fonte principal de inspiração.

Trabalhou pela primeira vez para o teatro em 1936, ao fazer cenários e figurinos para a peça Tá-Mar, em cena no Teatro D. Maria II. Desde aí realizou esse tipo de trabalhos para mais de cem peças, entre teatro, ópera e bailado. Trabalhou no Teatro de São Carlos, durante 35 anos, nas artes do palco, tendo sido diretor de cena. Destacou-se em diferentes áreas das artes plásticas

como pintura, desenho, aguarela e desenvolveu ainda um belíssimo trabalho como designer gráfico.

A obra do artista pode ser visitada no museu que tem o seu nome, em Óbidos.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *