Santo Tirso, Sociedade

Festas do Sanguinhedo em Santo Tirso

No lugar da Ponte Velha, em Santo Tirso, decorrem no próximo fim-de-semana – dias 27, 28 e 29 de Julho – as Festas do Sanguinhedo organizadas pela “Associação Amigos do Sanguinhedo”.

 

Esta instituição sem fins lucrativos, para além da organização das festividades (pelo 21º ano consecutivo), procedeu à recuperação dos célebres moinhos do Sanguinhedo e continua a preservar, pela limpeza, as margens do rio com o mesmo nome. A sede da AAS está, inclusive, instalada num antigo lagar de azeite que pertencia a uma antiga casa de lavoura.

 

Estas festividades – que continuam a contar anualmente com o apoio da Câmara Municipal de Santo Tirso – devem o seu nome ao rio Sanguinhedo e não têm qualquer cariz religioso. As festas pretendem dar continuidade à tradição de juntar em lazer, cantando e dançando, nas margens do rio, as gentes que vivem nesta encosta solarenga de Santo Tirso.

 

As Festas do Sanguinhedo, sempre concorridas, devem muito da sua originalidade a dois motivos principais.

 

A Cascata – Construída sobre o leito do próprio rio, a Cascata do Sanguinhedo já está patente ao público desde o passado dia 21 de Julho (foto em anexo) e ocupa uma área superior a 100 metros quadrados. Está coberta de musgo e é movimentada a água e energia elétrica. Misturando harmoniosamente imaginação popular com a capacidade de dar vida a bonecos de madeira, podem ver-se representadas no local, cenas da vida rural ou de ofícios em vias de extinção. De entre as várias figurações apresentadas, salientamos o Mosteiro Beneditino (que engloba a Igreja Matriz e o museu Abade Pedrosa), a antiga estação dos caminhos de ferro, o funeral do “Alferes de Gião”, figura mítica e lendária que as gentes do lugar apelidaram de “espada-a-rasto”, entre muitos outros. Esta “obra”, plena de gosto popular, foi erigida pelos chamados “cascateiros” que, pacientemente durante o ano, nas horas vagas vão preparando os mecanismos, compondo as peças que, levam no seu interior e normalmente debaixo da estrutura de madeira, o pequeno motor de um limpa pára-brisas que, devido à pouca rotação e voltagem é adquirido para o efeito. Os “cascateiros” são conhecidos e moram nas proximidades. São minuciosos, engenhosos na forma como desdobram o movimento circular dos motores dos pequenitos bonecos, perfeccionistas, levam por vezes, meses até atingirem o efeito pretendido. São em síntese, além do que foi dito, bairristas, trabalhadores, persistentes e apegados às tradições.

 

A Iluminação – Porque na década de quarenta do século passado, não havia luz elétrica na zona, os seus habitantes viram-se obrigados a improvisá-la, acendendo nos beirais das casas os pavios de tigelas com gordura. Em recordação desses tempos, às 22 horas do próximo sábado, dia 28 de Julho, acendem-se ao mesmo tempo milhares de iluminárias, colocadas nas portas e janelas das muitas centenas de casas existentes no local, daí resultando um espetáculo de rara beleza, que atrai milhares de pessoas. Cerca de meia-noite haverá uma grande sessão de fogo-de-artifício.

 

De resto, e à semelhança de outras festas populares, as Festas do Sanguinhedo terão um programa de animação musical de que destacamos:

 

Dia 27 – sexta-feira

21h30 – Victor Rodrigues e sua banda

 

Dia 28 – sábado

21h30 – Flor

22h30 – Rui Vieira e banda

 

Dia 29 – domingo

21h30 – Conjunto Musical Santo André

22h30 – Encerramento das Festas

 

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *