Cultura, Santa Maria da Feira

Artes de Rua ‘invadem’ Santa Maria da Feira

Com um percurso consolidado de mais de uma década na promoção das Artes de Rua em Portugal, o Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua continua a ser o palco privilegiado de conceituadas companhias nacionais e internacionais, que escolhem Santa Maria da Feira para apresentar os seus espetáculos, alguns deles em estreia absoluta, como acontece nesta 12ª edição. Organizado pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e empresa municipal Feira Viva – Cultura e Desporto, o Festival realiza-se de 25 a 27 de maio, em espaços públicos da cidade.

 

No que se refere às produções internacionais, destaque para a participação de três companhias que vão apresentar-se em estreia nacional, com espetáculos muito ligados à tradição Imaginarius: Pan Optikum (Alemanha), com “Transition”, que encerra a noite de sexta-feira, na alameda do antigo tribunal (23h30) e repete no sábado (22h15); Grotest Maru (Alemanha), com “Timebank”, a apresentar sexta-feira e sábado, na fachada da Câmara Municipal (17h00 e 22h30); e Cirque Hirsute (França), que traz “Les Blues de La Mancha” ao jardim do antigo tribunal, sexta-feira (22h30), sábado (21h30) e domingo (16h00). De Espanha marca presença no Festival a companhia Xirriquiteula Teatre, com o espetáculo itinerante “Girafes”, a apresentar no domingo, na Praça da República e Largo Gaspar Moreira (15h00 e 17h00). Da Bélgica chegam os Antwerp Gipsy-Ska Orkestra, que encerram a noite de sábado, com um concerto na envolvente da piscina municipal (00h00).

 

A aposta na criação nacional é uma das marcas desta edição. A coreógrafa Madalena Victorino apresenta-se pela primeira vez no Festival Imaginarius, com o espetáculo “Vale”, que lhe valeu o Prémio Autores para a Melhor Coreografia, em 2010. O espetáculo, que envolve a participação de cerca de 70 pessoas de Santa Maria da Feira, será apresentado pela primeira vez no formato rua, sexta-feira e sábado, no parque de estacionamento da Avenida Belchior Cardoso da Costa (22h00, 2 euros). Noutra adaptação para rua, a coreógrafa e performer Filipa Francisco propõe uma fusão de dança contemporânea e folclore com o espetáculo “A Viagem”, que conta com a participação de dois grupos locais: Rancho Folclórico Os Malmequeres de Lourosa e Rancho Folclórico e Etnográfico Terras de Santa Maria (Rio Meão). Apresentações no sábado (18h00) e domingo (17h00), com início na Igreja da Misericórdia.

 

O Teatro de Ferro, a Companhia Erva Daninha, o Teatro Regional Serra de Montemuro, o Teatro a Quatro e Teatro Bandido e a Companhia Abelha Acrobática são outros projetos nacionais que marcam presença nesta edição, reforçando a vocação do Festival de promover projetos nacionais de qualidade, muitos deles em fase de afirmação.

 

Também as estruturas artísticas de Santa Maria da Feira veem reforçada a sua participação nesta edição, com destaque para o espetáculo “O Comboio Fantasma de Santa Maria da Feira”, do encenador inglês Lee Beagley com grupos e artistas locais (All About Dance, Art’Encena, Saltarellus e Fórum Ambiente e Cidadania). Esta criação Imaginarius, que conta com a participação de cerca de 140 pessoas, será apresentada na sexta-feira e sábado, com início na estação da CP (22h30). De referir ainda a participação das Marionetas da Feira, Orquestra Sinfónica de Jovens de Santa Maria da Feira e Projeto EZ no Festival, três estruturas artísticas locais.

 

 

[página 1 de 2]

 

A arte comunitária continua a ser uma das marcas diferenciadoras do Festival, que vem assumindo uma vincada função social e de integração pela arte. Nesta edição, são cinco os projetos que envolvem a participação de gente da comunidade, num total de cerca de 1500 pessoas.

 

Destaque para o projeto Imaginar o Futuro, cujo ponto alto será a Parada, Concerto e Baile, no domingo, a partir das 18h00 (alameda do antigo tribunal » envolvente da piscina municipal). O mega concerto, que encerra o Festival, será dirigido pelo maestro da Orquestra Criativa de Santa Maria da Feira, Aleksandar Caric, e vai juntar cerca de 400 pessoas em palco – cordas, sopros, coros e percussão – na envolvente da Piscina Municipal (18h30). A Parada envolve a participação de mais de 400 crianças das escolas do 1º Ciclo.

 

Na linha de edições anteriores, o “Mais Imaginarius” – espaço de experimentação artística para jovens criadores – continua a abrir espaço a propostas arrojadas de jovens artistas, nacionais e internacionais. A programação off do Festival conta pela primeira vez com uma representação do Líbano. “Whispered Tales” é um projeto intimista da companhia Clown Me In. Uma mulher do Líbano, criadora artística, vai contar histórias do seu país, sexta-feira e sábado, em diferentes cafés da cidade.

 

As Conversas Imaginarius, sobre “Criação artística, comunidades locais e participação” (25 de maio) e “Especificidades da criação em espaço público” (26 de maio) e o workshop de Carlo Boso, dedicado à Comedia Dell’ Arte, são outros destaques da programação do Festival, proporcionando, as primeiras, uma reflexão em torno do papel das artes de rua na apropriação do espaço público e, o segundo, a partilha de saberes por um dos mais prestigiados encenadores do teatro europeu.

 

As exposições “Do Chão: Projétil”, de Samuel Silva e Tó Maia, e “A Couve”, de João Pedro Oliveira, e as instalações de Ana Madureira (projeto Teus Imaginarius Meus) e Assembleia de Crianças (Seis Rostos, Seis Olhares, Seis Expressões, Um só Mundo) completam a programação deste ano, que pela primeira vez acolhe um mercado de rua. Dia 26 de maio, o Flea Market – Mercado da Pulga sai dos míticos espaços da cidade do Porto para se instalar em Santa Maria da Feira, das 17h00 às 23h00).

 

 

Programa completo em www.imaginarius.pt.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *