Cultura

Figuras Públicas marcam presença na inauguração da 1ª Exposição do Museu Nacional de Arte Antiga

Andreia Dinis, Andreia Rodrigues, Leonor Poeiras, Pedro Teixeira e Vanessa Martins foram algumas das caras conhecidas que marcaram presença quinta-feira, 29 de Março, no cocktail de inauguração da primeira exposição do MNAA – Museu Nacional de Arte Antiga no Centro Colombo, no âmbito do projecto A Arte Chegou ao Colombo.

Intitulada “Construir Portugal. Arte da Idade Média”, a exposição, que estará patente até ao dia 30 de Junho na Praça Central do Centro Colombo, constitui uma fascinante narrativa do processo de formação do Reino, contada a partir da selecção de 31 peças do MNAA.

Várias figuras públicas marcam presença na inauguração da exposição como Andreia Dinis, Andreia Rodrigues, Leonor Poeiras, Pedro Teixeira, Vanessa Martins, Ana Paula Taborda, Elsa e Fernando Hipólito, Teresa Sturken, Virginia de Almeida Gerardo e Margarida Prieto.

Pintura, escultura e múltiplas declinações das chamadas artes decorativas (têxteis, metais, cerâmica, mobiliário, etc) são as tipologias que estão presentes nesta primeira exposição, que foi criada especialmente para o projecto A Arte Chegou ao Colombo e que preserva a absoluta integridade e dignidade do principal museu nacional e das suas obras.

A exposição “Construir Portugal. Arte da Idade Média” assinala o arranque da segunda edição do projecto A Arte Chegou ao Colombo, uma iniciativa que pretende levar o património artístico ao encontro dos públicos, de uma forma única e inovadora, proporcionando uma experiência enriquecedora aos que visitam o Centro Colombo. Seguir-se-à uma segunda exposição, intitulada “Desenhando o Mundo. Arte da época dos Descobrimentos”, de Julho a Outubro.

As obras de arte vão estar em exposição num pavilhão concebido pela arquitecta Manuela Fernandes, onde de algum modo se reproduz de forma temporária a essência institucional do MNAA, seja na plena dignidade e segurança das exposições, seja na forma contemporânea de comunicar o acervo e de estabelecer a relação com os públicos.

A parceria com o MNAA – Museu Nacional de Arte Antiga, um dos principais museus nacionais, concretiza assim a segunda fase de um projecto que o Centro Colombo iniciou o ano passado com o Museu Colecção Berardo. O projecto A Arte Chegou ao Colombo pretende continuar a alargar aos mais variados movimentos artísticos e parceiros culturais.

Sobre o Centro Colombo:

O Centro Colombo, o maior centro comercial da Península Ibérica, dispõe de mais de 400 lojas e possui características únicas com uma fabulosa variedade de oferta. Com uma área de abrangência supra-regional, no Centro Colombo encontra tudo aquilo que possa imaginar. São mais de 60 restaurantes, 10 salas de cinema, Jardim Exterior, um Health Club, mais de 10 serviços de apoio ao cliente, um parque de diversões coberto e as maiores lojas âncora do país que incluem as marcas mais procuradas pelos consumidores. Desta forma, o Centro Colombo representa uma oferta completa caracterizada pela Inovação e Diferenciação dos seus produtos e serviços, com o intuito de maximizar o conforto e segurança dos seus clientes.

O Centro Colombo é activo no cumprimento do projecto PERSONÆ, que se centra na consolidação de uma cultura de prevenção e antecipação de acidentes, com enfoque no comportamento responsável de cada indivíduo através de valores comuns adoptados por toda a organização e com o objectivo de atingir a meta “zero acidentes”.

Todas as iniciativas e novidades sobre o Centro podem ser consultadas no site www.colombo.pt

Sobre o MNAA-Museu Nacional de Arte Antiga:

Criado em 1884, o MNAA – Museu Nacional de Arte Antiga abriga a mais relevante colecção de arte do País. Pintura, escultura, artes decorativas, portuguesas, europeias e da Expansão, desde a Idade Média até ao século XIX, incluindo o maior número de obras classificadas como “tesouros nacionais”. Entre elas, destacam-se os Painéis de S. Vicente, obra-prima da pintura europeia do século XV; a Custódia de Belém, de Gil Vicente, mandada lavrar por D. Manuel I e datada de 1506; os biombos Namban, final do século XVI, onde se regista a presença dos portugueses no Japão; as Tentações de Santo Antão, de Bosch, exemplo máximo da pintura flamenga do início do século XVI; S. Jerónimo, de Dürer, 1521, inovadora representação do santo ou o centro de mesa de Thomas e François-Thomas Germain, ourives franceses do século XVIII, que integra a baixela da Casa Real portuguesa.

Instalado no Palácio dos Condes de Alvor, em Santos, construção seiscentista, sucessivamente ampliada e englobando ainda a antiga capela adjacente do convento carmelita de Santo Alberto, o MNAA e o seu jardim (com restaurante e esplanada) gozam de uma excepcional vista sobre o Rio Tejo e o porto de Lisboa.
De acordo com dados recentemente divulgados pelo IMC (instituto que tutela os museus do Estado), o MNAA foi o segundo museu nacional mais visitado em 2011.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *