Arouca, Cultura

Bibliomóvel: histórias rolantes ao encontro de leitores de palmo e meio em Arouca

«Era uma vez um filósofo chamado Buridan, cuja profissão é pensar. E ele pensa, pensa, pensa…e ensina os outros a pensar. O nosso filósofo tinha um burro, que pensava pouco e carregava muito. Carregava cântaros de água da fonte, lenha para a lareira, sacos de farinha, livros e mais livros. Até carregava o dono, que andava de terra em terra a dar lições a quem queria aprender a pensar.»

 

Em Arouca, está em funcionamento há 11 anos um serviço da biblioteca municipal chamado Bibliomóvel, com muitas semelhanças com aqueles dois personagens do conto infantil «O burro de Buridan», saído da pena da escritora Luísa Ducla Soares. Ele também leva livros, conhecimento, saberes, sentimentos, lições de vida, a centenas de crianças que, não fora a sua visita, muitas delas dificilmente teriam o prazer que sentem, na realidade, ao folhear um livro ou a viajar numa das suas aventuras.

 

«O livro faz sentir-me feliz. Quando leio uma história parece que estou num sítio muito bonito», confidencia-nos Ana Carolina Teixeira, aluna do 1º ano da EB1 de Canelas.

 

Foi a esta escola que «a carrinha da biblioteca» levou, num destes dias, livros, revistas, banda desenhada, cd’s com música, filmes em dvd, enciclopédias, dicionários e, também, obras sobre o património local, para as crianças – dos diferentes anos do 1º ciclo do ensino básico – e os petizes – do jardim de infância – requisitarem para levar para casa, como um amigo que se aconchega na mochila.

 

«Quando estou a ler, sinto que aprendo coisas importantes, lições boas», acrescenta Mariana Teixeira, 9 anos, para quem a aventura do livro «Caracóis de ouro e os três ursos» ficou guardada na sua memória.

 

Enquanto o bibliomóvel permanece estacionado à entrada da escola, grupos de quatro alunos vão-se revezando no gesto de escolherem e retirarem das prateleiras este, aquele e, ainda, mais este, três livros no máximo, que depois mostram ao técnico da biblioteca para que este preencha a respetiva ficha de empréstimo. Metidos dentro de um saco de plástico, os livros ficam prontinhos para, no final das aulas, rumarem a casa destes pequenos leitores, onde hão-de ser lidos muitas vezes em voz alta, para que um irmão mais novo também possa reviver a história do «sábio Buridan, um homem muito inteligente e muito culto, mas incapaz de tomar as decisões mais simples. Já o burro… parece que só é burro de nome!».

 

«Ao fim de semana, quando vou a casa da minha madrinha, eu leio para a minha prima Sara que só tem 4 anos», conta-me a sorridente Carolina, que reconhece ser a escola muito importante, porque nela «nós aprendemos a ler e a escrever e, assim, quando formos grandes, ficamos melhor preparados para trabalhar».

 

O bibliomóvel é «muito bom para mim porque posso levar para casa livros emprestados», sublinha Pedro Galo, 6 anos, confessando: «Os meus pais não me compram livros». «Eu costumo brincar com as figuras que aparecem nas histórias» e há uma, «aquela índia»…

 

– A Mogli – atira um colega dele que se junta, sorrateiramente, à nossa conversa – que é espetacular!

 

Entretanto, aproxima-se de nós, como quem não quer ser notado, o pequeno Marcelo Moreira e quebrando, pouco a pouco a timidez própria da sua tenra idade, lá vai dizendo:

 

– Eu gosto do Sapo apaixonado porque prefiro histórias com animais. E em jeito de despedida, acrescenta: «Às vezes, leio na companhia da minha irmã mais velha, a Filipa, que me vai ensinando a dizer melhor as palavras».

 

Após a visita de todos os alunos ao bibliomóvel, segue-se a ida à sala do jardim de infância, onde aqui os livros da biblioteca pública estão dentro das bibliomalas que são, periodicamente, renovadas com títulos mais recentes de literatura infantil. Nestes, a pequenada entretêm-se a ver pessoas com corpos cheiinhos e animais coloridos, ambos felizes da vida e tão bonitos como o sorriso delas.

 

Passada a manhã em Canelas, fica concluído um dos 14 percursos escolares da carrinha transformada em biblioteca, a qual visita, várias vezes por ano, todas as escolas e jardins de infância do Município de Arouca, contabilizando até ao momento cerca de 90 mil quilómetros.

 

Através deste serviço público – Bibliomóvel e Bibliomala – os pequenos leitores requisitaram até agora perto de 272 mil documentos, na sua maioria obras literárias infanto-juvenis.

 

 

O Bibliomóvel em números

 

 

2001 – 2011

Ano letivo 2011/2012 *

Pedidos de empréstimo = 45474 

Documentos = 91065

 

Bibliomala (empréstimos) =180219

 

Quilómetros = 83680

 

N.º de escolas do 1.º CEB e Jardins de Infância = 35 

N.º de alunos = 1334

 

Pedidos de empréstimo = 2093

 

Documentos = 5928

 

Bibliomala (empréstimos) = 7052

 

N.º de percursos efetuados = 98

 

Quilómetros = 5320

 

 

* (setembro / fevereiro)

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *