Baião, Sociedade

Projecto voluntário promove saúde oral em Baião

Já está no terreno, no concelho de Baião, o projecto de promoção da saúde oral “A Sorrir de Norte a Sul”. Esta iniciativa, dinamizada pela associação “Mundo a Sorrir”, conta com a colaboração de várias entidades concelhias como a Câmara Municipal de Baião, o Centro de Saúde de Baião, Clínicas Dentárias e os Agrupamentos de Escolas do concelho.

Na semana de 16 a 20 de Janeiro os técnicos do Centro de Saúde de Baião percorreram os três agrupamentos de escolas do concelho, com o objectivo de realizar inquéritos sobre os hábitos de higiene oral e rastreios de monitorização da saúde bucal aos jovens em idade escolar.

A semana terminou em “grande”, com uma palestra educativa no Auditório Municipal que teve como destinatários os alunos do 4º ano do concelho e na qual esteve presente o vereador dos Assuntos Sociais da Câmara Municipal de Baião, Manuel Durão.

Também a clínica Eiriz-Saúde participa no projecto, propondo-se realizar rastreios orais gratuitos todas as segundas-feiras em Janeiro e Fevereiro. Estes rastreios estão abertos a toda a população e têm lugar nas instalações da clínica, em Eiriz.

Prevê-se que outras clínicas dentárias organizem iniciativas no âmbito da saúde oral, dentro do espírito deste projecto.

Esta iniciativa visa desenvolver a sensibilidade dos alunos para as vantagens dos cuidados com a saúde oral, levando a informação e os cuidados básicos para que a saúde oral passe a ser um Direito Universal e acessível a todos, independentemente da sua posição económica, cultural e social.

Pretende-se, igualmente, que os professores possam abordar este tema no âmbito do currículo e se desenvolvam trabalhos ligados ao tema.

Focando os dois principais grupos-alvo deste projecto (crianças 6-12 anos e adultos maiores de 65 anos), a meta passa por observar e analisar o estado e a evolução da situação de Saúde Oral no interior de Portugal.

A “Mundo a Sorrir” é uma organização sem fins lucrativos que actua no campo da Saúde Oral. Esta ONG, que começou com 12 voluntários e hoje integra cerca de 500, já realizou mais de 25 mil rastreios e 7 mil consultas através de projectos nacionais e internacionais, nomeadamente na Guiné-Bissau e em Cabo Verde.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *