Cultura, Estremoz

Exposição “António Canoa, artesão da ruralidade” em Estremoz

No próximo sábado, dia 28 de janeiro, pelas 16:00 horas, será inaugurada a exposição “António Canoa, artesão da ruralidade”, na Sala de Exposições do Centro Cultural Dr. Marques Crespo, em Estremoz.

A iniciativa é da Associação Filatélica Alentejana e conta com o apoio da Câmara Municipal de Estremoz.

António Canoa é natural de Veiros, onde nasceu em 1926. Quando acabou a instrução primária seguiu o seu destino e tornou-se aprendiz de abegão, sob a orientação de seu tio e padrinho, Miguel Lopes.

Aos 17 anos já era abegão de corpo inteiro e, nessa condição, começou a trabalhar de sol a sol para as grandes casas agrícolas do concelho de Estremoz.

Da arte das suas mãos nasceram carros, carroças e trens para o transporte de bens e pessoas, assim como alfaias agrícolas como arados e araveças, bem como trilhos, grades, pás, forquilhas, escadas, malhos, cangalhas, etc., etc.

As matérias-primas eram o azinho, o freixo, o eucalipto e o choupo, que as suas mãos afeiçoavam com o auxílio de serras, machados, enxós, formões, martelos, arpuas e trados.

E como abegão era um artista no sentido mais completo do termo. As suas obras eram decoradas com tintas confecionadas com cores minerais já utilizadas pelos artistas rupestres de Lascaux e Altamira no Paleolítico, mas aqui diluídas em óleo e secante.

O almagre, o zarcão, o azul do ultramar e a terra de Sena, marcas identitárias das claridades do Sul, estavam sempre presentes no remate de obras nascidas das suas mãos mágicas de carpinteiro das grandes herdades.

Depois de se reformar, a ruralidade que continua a transportar na alma e os bichos carpinteiros que lhe vão na massa do sangue, levaram-no a elaborar numa escala reduzida, miniaturas de tudo aquilo que lhe saiu das mãos em tamanho natural e que cumpria as missões para que foi criado, nas fainas agropastoris da primeira metade do século XX e mesmo mais além.

São essas miniaturas que António Canoa, ex-abegão e agora artesão da ruralidade, residente em São Lourenço de Mamporcão, expõe para deleite da nossa vista e porque é importante refrescar a memória do Alentejo do passado, das vivências e sentires da gente do campo.

A exposição, que estará patente ao público até ao dia 28 de abril de 2012, pode ser visitada de terça-feira a sábado, entre as 9:00 e as 12:30 horas e entre as 14:00 e as 17:30 horas.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *