Póvoa de Lanhoso, Sociedade

Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso e ATAHCA informaram sobre o PROVE

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, em colaboração com a ATAHCA, promoveu uma sessão de sensibilização e de informação sobre o projeto de cooperação PROVE, que apresenta estratégias inovadoras.

 

Esta oportunidade surgiu ligada à preocupação do Município em ajudar a criar mecanismos de apoio à microeconomia, ao desenvolvimento rural e ao consumo de produtos locais e de qualidade. “Esta é uma ação que a Câmara Municipal vê com muito interesse, porque tem como objetivo principal fazer um complemento da estratégia que tem sido desenvolvida de potenciar a agricultura num território rural como é o da Póvoa de Lanhoso. A Póvoa de Lanhoso tem condições de excelência para dinamizar projetos agrícolas; há alguns empresários que têm apostado nessa área e é preciso olharmos para estas estratégias de cooperação e abraçá-las com muito empenho para também ajudar esses que ainda continuam neste árduo trabalho de acreditar que a agricultura pode ser também uma forma de ganhar e de desenvolver este território”, referiu a Vereadora da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Fátima Moreira, para quem o PROVE é um projeto “de eficiência coletiva, de cooperação, princípios que devem orientar as nossas estratégias num tempo em que estamos perante tantas dificuldades económicas em que é necessário olharmos de forma conjunta para as dificuldades, mas também para as soluções. Acredito que através de projetos de cooperação e de eficiência coletiva vamos conseguir ultrapassar algumas destas dificuldades”.

 

O PROVE é uma estratégia que já está testada a nível nacional. No Alto Cávado, o Município da Póvoa de Lanhoso é o primeiro que quer abraçar este projeto. No nosso concelho, a Câmara Municipal, através do gabinete de apoio ao bioagricultor, vai prestar apoio aos interessados em aderir.

 

Aquela representante da edilidade povoense anunciou também algumas medidas concretas complementares e locais, revelando que, para além da estratégia PROVE, a Câmara Municipal pretende dinamizar um mercado para pequenos produtores que queiram também escoar através desse mercado os seus produtos. “Vamos-lhe chamar mercado da terra e estamos a pensar avançar com essa iniciativa a partir de Maio. Vamos começar a testá-la, vamos criar um regulamento, vamos convidar os pequenos agricultores a participarem nesse mercado e também a encontrarem aí um espaço de escoamento do seu produto e rentabilizarem financeiramente aquilo que vão produzindo, porque esse tem sido um dos grandes desafios e uma das grandes dificuldades dos pequenos agricultores”.

 

Metodologia do PROVE

 

Para além da Vereadora Fátima Moreira, esteve presente o presidente da ATAHCA, Mota Alves, e um Técnico, Paulo Pereira, que explicou com detalhe tudo o que envolve o referido projeto que visa a comercialização de proximidade, ou seja, aproximar pequenos produtores e consumidores de modo a reduzir os constrangimentos na comercialização agrícola. O PROVE tenta dar resposta a questões como as dificuldades de escoamento e de valorização dos produtos, como o abandono dos terrenos agrícolas e como a concorrência dos circuitos de distribuição tradicionais, por exemplo. Em suma, trata-se da constituição de núcleos de produtores, em que os agricultores produzem para um cabaz de produtos que é vendido a um grupo de consumidores. Como funciona, qual a constituição do cabaz, peso e preço, metodologia, vantagens para os produtores, para os consumidores e para os territórios foram aspetos abordados. Este projeto envolve ainda formação para os produtores assim como apoio técnico, de entre outras possibilidades.

 

Em Setembro de 2011, já eram 35 os núcleos PROVE constituídos em todo o país, sendo 63 por cento dos produtores mulheres. O escalão etário com mais produtores situava-se entre os 30 e os 40 anos; para 51 por cento, o projeto era um complemento a uma atividade principal; 23 por cento era a percentagem do rendimento PROVE no rendimento total mensal do produtor. Na data referida, havia já 42 locais de entrega; 91 explorações agrícolas envolvidas; 1500 consumidores semanais; 11 toneladas de hortofrutícolas comercializados por semana; e 15 mil euros de receita semanal.

 

Pequenos produtores ou potenciais produtores biológicos ou não, jovens e consumidores foram os destinatários desta ação, que decorreu no auditório da Casa da Botica, na Vila da Póvoa de Lanhoso, no dia 19 de janeiro. No final, houve um lanche bio.

 

As inscrições podem ser realizadas junto do Município da Póvoa de Lanhoso (junto do Gabinete de Apoio ao Bioagricultor) ou da ATAHCA.

 

Para inscrições e informações:

 

Câmara Municipal de Póvoa de Lanhoso

253 639 700 – gabio@mun-planhoso.pt Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

ATAHCA

253 321130 – altocavado@mail.telepac.pt

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *