Estarreja, Sociedade

Deficientes necessitam de centro de acolhimento – Estarreja

“Há muito ainda a fazer no distrito de Aveiro” ao nível de respostas sociais no campo da deficiência. A constatação de Helena Terra, directora do Centro Distrital de Segurança Social de Aveiro, na deslocação à CERCI de Estarreja, durante a sessão que assinalou a abertura do ano lectivo.

 

“A taxa de cobertura de respostas sociais na área de intervenção das pessoas jovens e adultas com deficiência está muito abaixo daquilo que seria expectável”, afirmou um dia antes da inauguração de equipamento social em Albergaria-a-Velha, da APPACDM – Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental, reforçando que mesmo com a nova estrutura o distrito continua com necessidades “muito acima da média”. A responsável aproveitou para reforçar a importância da aproximação deste tipo de instituições à comunidade e do papel do voluntariado.

 

Maria de Lurdes Breu, presidente da instituição, quer contribuir para uma resposta mais eficaz que passa pela instalação de um CAO – Centro de Actividades Operacionais “mais diversificado, com uma maior dimensão”; pela existência de um CRI – Centro de Recursos para a Inclusão, que sirva a comunidade “e não apenas os agrupamentos escolares”; e a construção da Casa da Sr.ª do Monte, um lar de acolhimento para casos emergentes.

 

“A crise é assustadora mas não minga as contingências malévolas que as vezes se cruzam com os nossos alunos: morte ou doença grave do suporte familiar, casos de violência, abuso, negligência”, lembrou Maria de Lurdes Breu que tem como objectivo “criar um tecto acolhedor. O nosso nicho de intervenção é construir um lar transitório”, até que se encontre uma solução definitiva para os cidadãos em risco.

 

Maria de Lurdes Breu apresenta duas soluções possíveis: a ampliação das actuais instalações da Fontinha, com a entrega das oficinas municipais, ou a cedência por parte da Câmara do edifício do Agro, de forma a “salvaguardar a população deficiente de Estarreja que faz parte do todo igual. Vamos analisar, comparar custos e decidir, já perdemos muito tempo”, afirmou.

 

Com 33 anos de vida e com cerca de 60 utentes, a CERCIESTA “é uma escola que tem que ter um carinho especial. Neste partilhar de preocupações, temos que estar presentes e temos estado presentes. Continuamos a apoiar, estamos a ultimar um protocolo para as comparticipações e este trabalho conjunto tem que ser continuado”, referiu o vereador da Educação da Câmara Municipal de Estarreja, João Alegria.

 

Quanto aos anseios da CERCI, “vamos continuando a conversar”, garantiu João Alegria que também focou a “partilha que a comunidade deve ter. Isto é uma responsabilidade de todos”.

 

 

Utentes dão o seu testemunho

 

Durante a sessão, que contou com a presença de representantes de vários organismos locais, dois utentes da CERCI deram o seu testemunho de vida. Paulo Jorge, representante da Comissão de Clientes, estrutura criada recentemente, também lembrou as limitações físicas da instituição. “A nossa casa é muito pequenina mas mesmo assim muito acolhedora. É pena não termos mais espaço”. É na tecelagem que Paulo Jorge, deficiente visual, encontra a sua realização pessoal. “Encontrei o sítio adequado para mim”, lembrando que teve uma “adaptação extraordinária, com a ajuda de todos”.

 

Este ano, Paulo Jorge cumpriu um objectivo muito importante, conseguiu a certificação ao nível do 2º ciclo, no CNO – Centro de Novas Oportunidades do Antuã. O processo de validação e certificação de competências “é uma mais valia, foi muito gratificante entrar na Escola Conde Ferreira para fazer o 6º ano”, afirmou com grande satisfação. Confessava que avançou “com algum medo” mas deparou-se com uma equipa preparada para lidar com a sua deficiência e agora quer continuar para o 3º ciclo.

 

Pelas mesmas razões, este foi também um ano “muito importante” para Margarida Beirão “porque fiz o 6º ano”, afirmou. Esta utente também falou da sua experiência na instituição e nas actividades que mais gosta, como a costura, a cozinha e a tecelagem. “Quando vim para aqui, não sabia nada, fui aprendendo”, testemunhou, com o “apoio e força” dos colaboradores da CERCI.

 

Motivado por este novo passo na sua vida, Paulo Jorge rematou dizendo que “já perdi muitas oportunidades, mas as que aparecerem eu não as vou negar”.

 


Artigo AnteriorPróximo Artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *